Rádio Observador

Migrantes

Capitã do “Sea Watch 3” volta a ser ouvida pela justiça italiana esta quinta-feira

Carola Rackete será ouvida pelo auxílio à imigração ilegal e pela alegada violação do código internacional de navegação marítima. A audiência estava agenda para 9 de julho, mas foi adiada.

CHRISTOPHE PETIT TESSON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A capitã do navio humanitário “Sea Watch 3” Carola Rackete, suspeita em Itália de ajuda à imigração ilegal, regressa esta quinta-feira a um tribunal na Sicília para ser ouvida pela justiça italiana.

A par do inquérito por auxílio à imigração ilegal, a jovem capitã alemã, de 31 anos, será também ouvida pela alegada violação do código internacional de navegação marítima.

A audiência no tribunal de Agrigento esteve inicialmente agendada para 9 de julho, mas seria adiada na véspera por causa de uma greve nacional de advogados.

A defesa da ativista decidiu aderir ao protesto nacional, convocado para contestar as políticas adotadas na área da justiça pelo atual Governo de coligação italiano, e a audiência acabou por ser adiada em nove dias.

A capitã do navio humanitário “Sea Watch 3″‘, de uma organização não-governamental (ONG) alemã com o mesmo nome, foi detida em finais de junho quando atracou, sem autorização, na ilha italiana de Lampedusa para realizar o desembarque de 40 migrantes resgatados ao largo da Líbia que estavam há mais de duas semanas a bordo da embarcação. A ativista seria então detida e ouvida pelas autoridades italianas “por resistência ou violência contra um navio de guerra”.

Itália, país governado pela coligação Movimento 5 Estrelas (M5S, populista) e Liga (extrema-direita), tem em vigor uma política “de portos fechados” às embarcações das ONG, acusando estas organizações, e os respetivos navios humanitários, de encorajarem a imigração ilegal.

O ministro do Interior e líder do partido Liga, Matteo Salvini, que é o principal rosto desta política, tentou impedir o desembarque dos 40 migrantes a bordo do navio “Sea Watch 3” em território italiano.

A 2 de julho, uma juíza de Agrigento decidiu libertar Carola Rackete, que se encontrava em prisão domiciliária, alegando na altura que a capitã tinha agido com o intuito de salvar vidas.

No dia seguinte, a Procuradoria de Agrigento recusou assinar a ordem de expulsão do país da capitã do navio humanitário “Sea Watch 3”, ordem essa que tinha sido emitida pelas autoridades italianas e que era defendida por Matteo Salvini.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)