Rádio Observador

Assalto em Tancos

Tancos. Coronel da GNR Taciano Correia detido no aeroporto de Lisboa

437

Taciano Correia foi detido depois de aterrar no aeroporto de Lisboa, na manhã deste sábado, avança o Jornal de Notícias. Observador já tinha noticiado que o coronel seria um dos arguidos do processo.

O assalto aos paióis de Tancos ocorreu na madrugada de 28 de junho de 2017

PAULO NOVAIS/EPA

O coronel Taciano Alfredo Teixeira Correia foi detido na manhã deste sábado no aeroporto, avança o Jornal de Notícias. Taciano Correia liderava a investigação criminal da GNR à data do furto de Tancos e regressava este sábado de uma missão na República Centro Africana. Presente a tribunal, saiu em liberdade, suspenso de funções em Portugal e no estrangeiro e de contactar com os restantes 24 arguidos do processo.

A 13 de julho, o Observador já tinha noticiado que o coronel tinha sido constituído arguido no inquérito criminal sobre o assalto aos paióis de Tancos, que ocorreu na madrugada de 28 de junho de 2017. Taciano Correia era o antecessor do também arguido Amândio Marques, diretor da Direção de Investigação Criminal do Comando Operacional da GNR.

Ao que o Observador apurou, Amândio Marques foi constituído arguido em co-autoria pelos crimes de associação criminosa, tráfico de armas, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos e favorecimento pessoal praticado por funcionário tendo ficado suspenso de funções.

De acordo com o Jornal de Notícias, o coronel Taciano Alfredo Teixeira Correia foi detido no Aeroporto Humberto Delgado, quando regressava. Presente a tribunal, saiu em liberdade, suspenso de funções em Portugal e no estrangeiro e proibido contactar com os restantes arguidos do processo. Estava a coordenador uma missão das Nações Unidas na República Centro Africana, que teve de interromper quando soube que ia ser constituído arguido.

Segundo o jornal Expresso, Taciano Correia foi contactado pelo então diretor da Polícia Judiciária Militar, Luís Vieira, também arguido no processo, um mês após o furto de material de guerra do paiol de Tancos. O responsável pela PJM queria autorização para que os militares da GNR de Loulé participassem na investigação paralela — uma vez que o caso estava nas mãos da PJ civil. Os militares tinham percebido que naquele postos da GNR trabalhava um operacional que era amigo de infância de João Paulino, que terá sido o cabecilha do assalto.

Taciano Correia, e depois Amândio Marques, autorizaram a operação, segundo o Ministério Público. Havia apenas uma condição: agir nas costas do comandante territorial de Faro, o coronel Joaquim Castro, porque todos sabiam que não podiam contar com a sua conivência.

No processo de Tancos, que conta já com 25 arguidos, investiga-se não só os autores do assalto ao paiol, mas também a operação que levou à recuperação do armamento num descampado na zona da Chamusca. Na altura a PJ percebeu que o achamento não tinha sido opinado e que a PJMilitar, que perdera a investigação para a PJ civil, tinha andado a fazer diligências paralelas à revelia da PJ civil e do próprio Ministério Público, a quem cabe conduzir a investigação.

Isso mesmo foi assumido tanto por Luís Vieira como pelo major Vasco Brazão — o ex-porta-voz da PJM que participou na investigação paralela e que esta sexta-feira acabou por ser libertado da prisão domiciliária pelo Tribunal da Relação de Lisboa, uma vez que já não existe o perigo de perturbação do inquérito. Ambos contaram como agiram perante os deputados que compuseram a comissão de inquérito parlamentar para apurara responsabilidades políticas no caso de Tancos. Já depois disso foram constituídos arguidos militares do topo da hierarquia da GNR e o próprio então ministro da Defesa, Azeredo Lopes.

Um relatório do Ministério Público, a que o Expresso teve acesso, a semanas de ser proferida a acusação, revela que Azeredo Lopes foi informado da operação paralela depois de recuperadas as armas, tal como se percebeu na comissão de inquérito. Mas que guardou essa informação para si e  não a partilhou nem com o primeiro-ministro António Costa, nem com o Presidente da República, Marcel Rebelo de Sousa, que tantas vezes se pronunciou sobre a necessidade de recuperar aquele material furtado.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)