Rádio Observador

Estado Islâmico

Estado Islâmico pode atacar Europa ainda este ano, avisa ONU

4.599

O comité de contra-terrorismo do Conselho de Segurança da ONU publicou um relatório no qual alerta: não se deve descartar a hipótese de ataques do ISIS na Europa nos próximos meses.

Spencer Platt/Getty Images

A força pode não ser a mesma — sobretudo depois de as forças armadas do califado terem sido derrotadas na Síria, há cerca de quatro meses —, mas o autoproclamado Estado Islâmico, apesar de aparentemente estar algo adormecido, continua ativo e a ser uma ameaça também para a Europa. O aviso é feito num relatório do comité de contra-terrorismo do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), que garante que as células do ISIS estão a “adaptar-se, consolidar e a criar condições para um possível ressurgimento” na Europa.

O relatório, recém-publicado e citado pelo jornal The New York Times, alerta que não é de descartar a possibilidade de eventuais ataques de combatentes ligados ao Estado Islâmico em países europeus ainda este ano. A ideia poderá passar por tentar “exacerbar” sentimentos de “dissidência e revolta” na Europa.

Em maio, o presidente do comité do Conselho de Segurança das Nações Unidas que vigia as sanções impostas ao autoproclamado Estado Islâmico, Dian Triansyah Djani — que é também embaixador da Indonésia na ONU —, já tinha avisado que o ISIS começou a reorganizar as suas células no Iraque e permanece um perigo a nível global.

Apesar de ter perdido praticamente todo o território que controlava nos seus bastiões no Médio Oriente, o Estado Islâmico continua a ser  “a maior ameaça terrorista internacional” e a organização que garante mais recursos, avisava ainda Dian Djani há dois meses.

A ONU tem insistido reiteradamente nos últimos meses na recusa da ideia de que o ISIS, por ter perdido força na Síria, deixou de ser uma ameaça global. Em janeiro, num relatório anterior do comité de contra-terrorismo do seu Conselho de Segurança, a ONU notava o regresso em força de “um método de comunicação entre os centros de comando e controlo do ISIL e indivíduos em diferentes países europeus”. E avisava para os perigos quer do regresso de combatentes terroristas estrangeiros à Europa quer da saída em liberdade de cidadãos europeus que se radicalizaram e que se encontram detidos, a cumprir uma pena de prisão que terminará nos próximos anos.

Nesse relatório de janeiro, a ONU notava que “um Estado-Membro [da UE] reportou que a propaganda inspirada pelo ISIL andava a ser agora desenvolvida localmente”, em vez de ser importada diretamente da Síria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)