Rádio Observador

Comida

Lady Gaga foi buscar “umas natas” a um café-restaurante português em Los Angeles

875

A cantora e atriz foi ao Natas Pastries de Sherman Oaks, em Los Angeles. A proprietária, Fátima Marques, publicou uma fotografia de Lady Gaga com o alegado novo namorado.

A canção "Shallow" podia agora ser reinventada: "Tell me something girl / are you happy in this nata world?"

Em pleno período de assistência financeira (eram os anos da troika em Portugal), um ministro da economia português, Álvaro Santos Pereira — que preferia ser chamado apenas de  Álvaro — teve uma ideia que foi satirizada nas redes sociais e se tornou indissociável do seu nome: era preciso, dizia então, internacionalizar o pastel de nata. A ideia foi recebida com humor, mas o pastel de nata é, a par do vinho, um dos produtos portugueses com maior procura fora do país.

A cantora, atriz e estrela pop Lady Gaga que o diga. Como revelou o Diário de Notícias, a partir de uma fotografia partilhada no Facebook, a voz de “Shallow”, “Poker Face” e “Bad Romance” deslocou-se a um café-restaurante português em Los Angeles para ir buscar “umas natas”.

A informação provém de Fátima Marques, a portuguesa dona do Natas Pastries. Fátima abriu o primeiro Natas Pastries há quase 15 anos, em 2005, e o que era inicialmente uma pastelaria e loja de pastéis de nata tornou-se rapidamente “assunto de conversa na comunidade portuguesa em Los Angeles”, segundo o site oficial do espaço. Na fotografia, a proprietária do Natas Pastries escreveu: “A Lady Gaga visitou o nosso espaço em Sherman Oaks esta semana para umas natas”. No final, colocou um emoji de sorriso rasgado e piscar de olho e afirmou estar “a sentir-se espetacular“. Ora veja:

Face ao sucesso, o Natas Pastries expandiu-se: cinco anos depois, em 2010, deixou de ser apenas pastelaria e café e passou a ser também um “restaurante com serviço completo”, que serve “pequeno-almoço, almoço e jantar”. Passou a ter duas localizações físicas, ambas no estado da Califórnia — uma na via Ventura Boulevard, em Sherman Oaks (que recebeu recentemente a visita da estrela norte-americana) e outra em Thousand Oaks, cidade que fica a 64 quilómetros do centro de Los Angeles — e até desafia eventuais clientes deste modo: “Comece o dia com um bolo e uma bica, espresso shot, ou com uma torrada francesa em pão doce português ou então uns ovos mexidos com chouriço”.

Lady Gaga deixou-se aparentemente cativar pelas virtudes das “portuguese natas”. Na fotografia partilhada no Facebook, a atriz e cantora está acompanhada pelo seu alegado novo namorado, o engenheiro de som Dan Horton. Apesar de o namoro não ser assumido, os dois já foram vistos (e fotografados) a beijar-se publicamente, para desgosto de quem fantasiava uma relação amorosa entre a cantora e o ator e cantor Bradley Cooper. Os dois gravaram o tema “Shallow” junto e contracenaram em “Assim Nasce uma Estrela”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)