Rádio Observador

Cinema

Filme moçambicano “Resgate” chega esta quinta-feira a salas de cinema em Lisboa e no Porto

"Resgate" inspira-se em raptos, na violência que marcou o país e, sobretudo, procura retratar as condições de vida da maioria da população.

"Resgate" fica em exibição nos cinemas Alvaláxia, em Lisboa, e Parque Nascente, no Porto, até 14 de agosto

JOSE COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A longa-metragem moçambicana “Resgate”, de Mickey Fonseca e António Forjaz, uma produção independente que aborda a violência no país, chega esta quinta-feira a salas portuguesas, em Lisboa e no Porto, segundo o mapa de estreias dos cinemas Nos.

Com argumento e realização de Mickey Fonseca, e produção, direção de fotografia e montagem de António (Pipas) Forjaz, fundadores da produtora moçambicana Mahla Filmes, “Resgate” inspira-se em raptos que aconteceram no país, na violência que o marcou e, sobretudo, procura retratar as condições de vida da maioria da população, de acordo com os seus criadores.

A história centra-se em Bruno, um homem que sai da prisão, cumprida a pena, que se reencontra com a mulher e a filha, e procura reconstruir a vida, sem sobressaltos, com o emprego numa sucata.

O banco, porém, surpreende-o com a cobrança de um empréstimo, feito pela mãe recém-falecida, para pagamento de despesas de saúde, e ameaça penhorar-lhe a casa. A impossibilidade de fazer o pagamento, com o seu salário, leva-o de volta ao antigo gangue e à sua teia de sequestros, crimes a que Bruno acaba por se opor, pondo em risco a sua vida e a da sua família.

“Resgate” desenrola-se em zonas de pobreza, entre casas degradadas e estradas de terra, mostra os transportes coletivos informais, os “chapas 100” e os “my love”, que surgem da procura a que não respondem os transportes públicos formais.

“Foi um trabalho extremamente árduo de realizar”, afirma o cineasta, no dossiê de apresentação do filme.

Moçambique é um país diverso, com uma mistura de raças, etnias, línguas e origens culturais [distintas], e era importante representar isso através do elenco e do diálogo”, prossegue Mickey Fonseca, no depoimento que acompanha a ficha técnica da produção.

O filme foi rodado em Moçambique, em 2017, depois de um processo de recolha de fundos que contou sobretudo com a intervenção da produtora Mahla, e a montagem da obra ficou concluída este ano, em Portugal.

“A determinação de fazer um filme independente parte da dificuldade de acesso a fundos para cinema”, no país, mas também “da crença nas capacidades [dos profissionais] e de um profundo desejo de contar esta história, com total controlo sobre o filme finalizado”, segundo o realizador.

Assim, durante seis anos, recorda Mickey Fonseca, a produtora Mahla trabalhou “incansavelmente em publicidade”, para “lentamente” adquirir “equipamentos de filmagem” e reunir tudo o que pudesse “poupar para cobrir os custos de produção”. “Com um orçamento apertado e aspirações altas, escolhemos cuidadosamente locais (…), um estilo de vestuário específico para cada personagem”, prossegue o cineasta.

As leituras do guião e os ensaios decorreram durante meses, com atores experientes e não-atores, “dispostos a trabalhar quase de graça, dando o melhor de si durante todo o percurso”, permitindo criar “personagens autênticas que deram vida à história e nos orgulharam”.

Gil Esmael, Arlete Bombe, Rachide Abdul, Laquino Fonseca e Tomás Bié estão entre os atores que protagonizam “Resgate”.

“Estou eternamente grato a todos”, conclui Mickey Fonseca, no texto de apresentação do filme, com o qual espera estimular “o diálogo social sobre questões apresentadas”, a falta de emprego, a dificuldade de acesso à habitação, a exclusão social, a corrupção.

Mickey Fonseca tem em “Resgate” a primeira longa-metragem. Trabalha há cerca de 20 anos na área do cinema, em Moçambique e na África do Sul. Com António Forjaz, dirigiu a ‘curta’ “Mahla”, que deu nome à produtora. Foi um dos assistentes de realização de “Diamantes de Sangue”, de Edward Zwick.

António Forjaz nasceu em Joanesburgo, cresceu em Maputo, formou-se em cinema pelo Columbia College Chicago, em 1995, soma mais de 20 anos de trabalho no setor.

Depois da estreia em Moçambique, em julho, e da exibição em Portugal, “Resgate” será distribuído em Angola, em setembro. Entretanto foi projetado em festivais de cinema africano em Ouagadougou, no Burkina Faso, e no Festival Internacional de Harare, no Zimbabué.

“Resgate” fica em exibição nos cinemas Alvaláxia, em Lisboa, e Parque Nascente, no Porto, até 14 de agosto, em duas sessões por dia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)