Rádio Observador

Combustível

Greve dos Motoristas. Ministro Santos Silva diz que serviços mínimos “protegem as pessoas”

347

Governo fixou serviços mínimos para a greve dos motoristas da próxima segunda-feira entre os 50% e os 100%, consoante o nível de prioridade. MNE considera que visam defender as pessoas.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defendeu esta quinta-feira que os serviços mínimos para a paralisação dos motoristas visam “proteger as pessoas e infraestruturas críticas”, e rejeitou que constituam uma limitação à greve. “Nós fixámos os serviços mínimos e eles estão fixados em termos que garantem o exercício do direito à greve, mas protegem os portugueses e infraestruturas críticas para a segurança e o bem-estar, a saúde dos portugueses dos efeitos dessa greve”, declarou o número dois do executivo liderado por António Costa.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, que se encontra em Rostock, na Alemanha, a acompanhar a visita oficial do Presidente da República a este país, rejeitou, após ser questionado pelos jornalistas, que os 100% de serviços mínimos decretados para alguns setores possam pôr em causa o exercício do direito à greve, como sustentou já o PCP.

Augusto Santos Silva defendeu que os serviços mínimos “são fixados de forma a proteger as pessoas e a proteger o funcionamento básico da economia e da sociedade portuguesa”, nomeadamente “o seu sistema de saúde e o seu sistema de proteção civil”, e “as infraestruturas críticas como os aeroportos e os portos”. Para o governante, os serviços mínimos decretados estão “bem justificados” porque foram decididos numa “lógica” de proteção das pessoas e da sociedade portuguesa.

O Governo decretou na quarta-feira serviços mínimos entre 50% e 100% para a greve dos motoristas de mercadorias que se inicia na próxima segunda-feira, dia 12, por tempo indeterminado.

Os serviços mínimos serão de 100% para abastecimento destinado à REPA – Rede de Emergência de Postos de Abastecimento, portos, aeroportos e aeródromos que sirvam de base a serviços prioritários. Entretanto, o PCP acusou o Governo de impor limitações no direito à greve, após terem sido decretados aqueles serviços mínimos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário

João Pires da Cruz
572

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)