Rádio Observador

Ministério do Ambiente

Pedreiras. Governo satisfeito com o plano de intervenção, apesar das falhas identificadas pelo Observador

115

Uma investigação do Observador mostrou que o plano do Governo é insuficiente para dar resposta à situação das pedreiras. O Ministério do Ambiente destaca que foram colocados sinais e cercas.

A pedreira em Vila Boa do Bispo explorou a pedra até ao limite da casa e do caminho

NUNO NEVES/OBSERVADOR

O Ministério do Ambiente e da Transição Energética entende que o Plano de Intervenção em Pedreiras em Situação Crítica, motivado pelo acidente na estrada de Borba que matou cinco pessoas, foi um plano de ação eficaz. Foi assim que o Governo reagiu à reportagem publicada pelo Observador, que percorreu as pedreiras do país para identificar situações que pudessem representar riscos para a população.

Na reportagem, o Observador dá conta das muitas situações de risco que não foram incluídas na “lista negra” criada pelo Governo, além das falhas, incorreções e incongruências da própria lista. O ministério, no entanto, nada diz sobre isso, nem explica como é que espera que as empresas resolvam em três anos aquilo que a Direção-Geral de Energia e Geologia não lhes impôs nas últimas décadas — um dos problemas apontados pelos proprietários ouvidos pelo Observador.

Pelo contrário, a resposta oficial foca-se apenas nas 191 pedreiras incluídas na lista, dando conta do cumprimento das ordens dadas às empresas.

De acordo com a monitorização do cumprimento das medidas impostas verifica-se um cumprimento superior a 90% no que respeita à ‘sinalética’ e à ‘vedação’, o que diz bem da eficácia do Plano de Ação implementado”, responde o Ministério do Ambiente, referindo-se às 166 pedreiras que precisavam de reforçar a sinalização e às 142 que tiveram de acrescentar vedações.

“Quanto à medida ‘projeto de execução’ imposto a 154 explorações, decorre o prazo de avaliação pela DGEG dos 94 estudos apresentados e também dos pedidos formulados de extensão do prazo para a produção desses estudos”, responde o Ministério sem explicar um dos motivos para estes pedidos de extensão do prazo. Com tantas pedreiras a pedirem estudos geotécnicos ao mesmo tempo, e com um prazo de 120 dias, os técnicos independentes disponíveis não conseguiam dar resposta a tantas solicitações.

O plano de intervenção do Governo selecionou 191 pedreiras em situação crítica, das 1.426 que são da responsabilidade da administração central. A investigação do Observador revelou que esta lista era apenas uma amostragem das pedreiras que apresentavam fatores de risco e que se encontrava incompleta. O Observador encontrou pedreiras sem sinalização, nem vedações que não constavam na lista do Governo. Outras que os municípios tinham identificado como tendo potenciais situações de risco também não mereceram atenção do Governo. E ainda uma clara descoordenação entre a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), tutelada pelo Governo, e a Infraestruturas de Portugal.

As 191 pedreiras foram notificadas sobre as medidas que deviam implementar — colocar sinalização, colocar vedações ou apresentar estudos ou projetos de execução — no final de fevereiro. No final de março — e depois de o Observador ter levantado questões sobre as falhas na lista publicada na Resolução do Conselho de Ministros — o Ministério do Ambiente enviou uma circular a todas as pedreiras licenciadas pela DGEG a avisar que deviam cumprir a lei, nomeadamente a distância que deviam deixar às estradas e às casas, e que ia “intensificar as ações de fiscalização”. Na resposta ao Observador, esta segunda-feira, o Ministério voltou a dar destaque a essa circular.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins
142

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)