Rádio Observador

Porsche

Tourada na Sotheby’s! Leiloeira arruinou Porsche Type 64

446

A reputada RM Sotheby’s ia colocar no colocar no mercado o Porsche Type 64, o primeiro modelo produzido por Ferdinand Porsche com base no Carocha. O leilão acabou com apupos e o carro ficou em casa.

Autor
  • Observador

Integrado na semana do automóvel em Monterey, o leilão do Type 64 foi anunciado como prevendo uma licitação máxima de 20 milhões de dólares. O valor, a raridade do exemplar e o facto de ser a respeitada RM Sotheby’s a conduzir a licitação levariam a crer que o leilão correria lindamente. Mas não foi assim.

Sob o martelo estava o Type 64, o primeiro Porsche construído pelo senhor Porsche, mais precisamente o engenheiro Ferdinand. Depois de ter concebido o Type 1 (o popular Carocha) em 1934 para Hitler, Ferdinand Porsche decidiu produzir sobre a mesma base o Type 64 em 1939. O resultado é um veículo aerodinâmico, muito leve e igualmente rápido. Mais do que tudo, foi o primeiro Porsche a ser construído, do qual apenas resta esta unidade em condições de circular pelos seus próprios meios, o que tem o condão de fazer disparar os valores em leilão.

Estimava-se uma licitação máxima de 20 milhões de dólares, pelo que foi alguma estranheza que os candidatos a levar o carro para casa viram as “hostilidades”  abrir logo nos 30 milhões de dólares. Mas a vontade de arrematar o Porsche fez com que os interessados se refizessem rapidamente do choque inicial e desatassem a licitar, com a guerra a elevar o valor até aos 70,5 milhões. Isto significava que o primeiro veículo de Ferdinand Porsche, usado pelo próprio (e pelo seu filho) durante anos e produzido ainda antes de existir a Porsche como fabricante, iria ser vendido por mais de 70 milhões, cerca de 20 milhões acima do automóvel mais caro do mundo.

Porém, nada disso aconteceu. O que efectivamente teve lugar naquela sala de Monterey, durante o Pebble Beach Concours d’Elegance, foi um desfile de incompetência, pois afirma a CNBC que nunca existiu ninguém a oferecer 40, 50 e muito menos 70 milhões. Segundo admissão da própria Sotheby’s, o leiloeiro percebeu mal e o que a sala estava a tentar licitar era por 13, 14, 15, 16 e 17 milhões. Quando deram pelo erro, gerado pela confusão em 17 e 70 milhões – erro mais fácil no inglês, por ser entre seventeen e seventy –, a leiloeira apressou-se a trocar o valor afixado no quadro, mas então já reinava a confusão. Tudo indica que a dicção do leiloeiro, por ser holandês, criou o problema num leilão que deveria ter arrancado nos 13 milhões de dólares, em vez de 30.

Mesmo por 17 milhões, a Sotheby’s esteve quase três minutos a ameaçar completar a contagem para adjudicar a compra, com o Type 64 no final a ser retirado pela própria leiloeira, que teve aqui uma exibição que vai ficar para a história. E não pelas melhores razões. Veja aqui a confusão:

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)