Rádio Observador

Amadora

PSP e Segurança Social desmentem PGR: não receberam pedidos do MP para encontrar as gémeas da Amadora

365

PGR tinha dito que recorreu à PSP e à Segurança Social para encontrar as gémeas que viviam com os pais numa garagem na Amadora. Entidades dizem que não receberam qualquer pedido do Ministério Público.

As primeiras denúncias, de 2013 e 2015, relacionavam-se com violência doméstica

MELISSA VIEIRA/OBSERVADOR

A Polícia de Segurança Pública e a Segurança Social dizem que não foram contactadas pelo Ministério Público, em 2017, para localizarem as gémeas que viviam numa garagem e em más condições na Amadora. A notícia foi avançada pelo jornal Público, que diz que a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (Dgeste) foi a única entidade que confirmou ter recebido a notificação do MP, em junho de 2017.

PSP e Segurança Social desmentem, assim, a Procuradoria-Geral da República, que disse que pediu ajuda às três entidades localizar a família, na altura em que foi feita a segunda denúncia de violência doméstica. O Ministério Público explicava, assim, que a impossibilidade de descobrir onde estavam os pais e as crianças, apesar de todas as tentativas, fez com que não chegasse a ser aberto um processo.

Ao Observador, a PSP confirmou não ter recebido qualquer pedido do MP para encontrar as crianças e os pais no ano de 2017. Nesse ano, o único pedido foi da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ), a 25 de janeiro. Desde então, afirmou a PSP, não houve outra solicitação de qualquer entidade para localizar a família até à denúncia recebida em julho deste ano.

“Após essa altura [25 de janeiro de 2017] não existiu mais qualquer diligência solicitada pela CPCJ ou outra entidade (pelo menos para a PSP), nem houve qualquer conhecimento por parte da PSP do paradeiro dos pais das crianças e das próprias crianças”, respondeu o gabinete de imprensa da direção nacional da PSP ao Público.

A PSP afirma que as tentativas para localizar a família se mostraram infrutíferas. O Observador, por sua vez, tinha confirmado junto de alguns agentes de uma das esquadras daquela zona que Mariana e João, os pais das crianças, eram muito conhecidos e toda a gente sabia onde viviam.

Também o Ministério da Segurança Social analisou os dados do processo referentes ao ano 2017 e disse que não houve solicitações do MP para intervenção do Instituto da Segurança Social. O Ministério da Educação, por sua vez, confirmou ter sido contactado através de um email enviado pelo MP à Dgeste, onde perguntava se as crianças estavam matriculadas em alguma escola.

Como confirmou o Observador, as crianças e o seu paradeiro não eram absolutamente desconhecidos. As gémeas tinham o boletim de vacinas em dia, o que implica que estavam inseridas no Serviço Nacional de Saúde, e a Câmara Municipal da Amadora sabia que João tinha atividade comercial na garagem onde agora foi detido. Ainda que não se soubesse que a família ali vivia, era possível saber onde o pai das crianças podia ser encontrado.

As tentativas da PSP para encontrar a família

A família já era conhecida da polícia há, pelo menos, seis anos: em 2013 e 2015 foram recebidas denúncias de violência doméstica, que foram reportadas à CPCJ por existirem duas crianças menores, explica a PSP. A demolição da casa onde viviam, em outubro de 2016, fez com que as autoridades perdessem o paradeiro da família, “apesar de diligências pela PSP junto de vizinhos que, na altura, resultaram infrutíferas”.

A CCPJ ainda voltou a pedir à PSP para notificar a família no n.º 10 da Estrada Militar, em janeiro de 2017, mas a polícia recordou a comissão de que a casa tinha sido demolida. A família não foi encontrada e a PSP não voltou a ser contactada para encontrar as gémeas ou os pais, até este ano.

Em julho, foi pedido à PSP que notificasse a família na morada da casa demolida. “Não obstante, o elemento policial, sabendo que na morada indicada já não existia a garagem [a casa onde a família morada era um anexo atrás da oficina], foi no entanto ao local e conseguiu apurar, através de diversas diligências, que a família estaria, agora, a residir na morada onde veio a ser detetada”, responde a PSP.

Ainda assim, a PSP diz que, mais uma vez, não conseguiu estabelecer contacto com a família. “Na sequência desse relato foram, ainda, efetuadas diligências por parte da Esquadra de Investigação Criminal da Amadora, das quais resultaram pedidos, à autoridade judiciária competente, para emissão de mandados de detenção fora de flagrante delito.”

Os mandatos de detenção foram emitidos no dia 13 de agosto, os pais das gémeas foram detidos no dia seguinte e as meninas encaminhadas para uma instituição. O casal, suspeito de dois crimes de violência doméstica, foi presente a tribunal e ficou sujeito à medida de coação mínima, o Termo de Identidade e Residência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)