Rádio Observador

Luís Marques Mendes

Marques Mendes: “António Costa foi genuíno e não gosta do Bloco, gosta do PCP”

327

Marques Mendes diz que António Costa "atacou forte e feio" o Bloco de Esquerda porque foi genuíno na entrevista ao Expresso. Segundo o comentador, Costa "não gosta do Bloco, mas gosta do PCP".

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Ao contrário do que aconteceu na última semana, quando Marques Mendes teceu elogios à ação do Governo durante a greve dos motoristas, no comentário desta semana na SIC o ex-líder do PSD deixou críticas ao chefe do Executivo, depois da entrevista que Costa deu ao jornal Expresso.

Disse que António Costa foi pouco inteligente ao tratar o PCP “como uma espécie de apêndice do PS” — ao jeito do MDP/CDE — o que, considerou, foi um “exagero” da parte do líder socialista. Marques Mendes destacou o empenho de Costa na luta pelo voto útil e pela maioria absoluta, que pode ser impedida pelo Bloco de Esquerda.

Este é o ataque mais forte que o primeiro-ministro já fez ao Bloco, serve porque sabe que o Bloco está forte e que pode impedir a maioria absoluta. E depois porque a direita odeia o Bloco e fica assustada com o Bloco forte e tenta captar o voto útil aí”, disse.

Marques Mendes considera que a entrevista de António Costa funcionará como uma “espécie de guião eleitoral” onde é dramatizada a situação económica internacional que, afirma “vai continuar a ser dramatizada ao longo da campanha eleitoral”. O comentador considera que 2020 será “um ano bem mais difícil que 2019” e que António Costa está a usar esse argumento porque sabe que “assusta as pessoas”.

Apesar do ataque ao Bloco de Esquerda, o comentador da SIC considera que o maior obstáculo à maioria absoluta do PS nas legislativas de 6 de outubro é o “medo de uma maioria absoluta que grande parte do país tem depois de Sócrates”.

Uma vez mais, Marques Mendes abordou a questão das eleições presidenciais de 2021, afirmando que António Costa e o Partido Socialista não terão “outra hipótese” que não a de apoiar Marcelo Rebelo de Sousa, que goza de uma “popularidade estratosférica” com capacidade para esmagar qualquer candidato.

Sobre o parecer que o Governo pediu à Procuradoria-Geral da República, a propósito das incompatibilidades, António Costa admitiu na entrevista que poderia não homologar o parecer e Marques Mendes comparou a atitude do primeiro-ministro à das crianças que levam a bola para a escola, mas só deixam os outros jogar enquanto estão a ganhar.

“É a teoria do quero, posso e mando. Faz lembrar os que se arvoram em donos da bola, se estão a perder o jogo, agarram na bola, abandonam o jogo e não respeitam ninguém”, disse. O comentador recordou que “há uma semana [António Costa] homologou um parecer da PGR que lhe dava jeito, sobre a greve dos motoristas”.

A posição que o CDS e o PSD tomaram sobre a publicação do despacho sobre a identidade de género nas escolas foi também alvo da crítica do ex-líder dos sociais-democratas, que considerou que “há exageros enormes de parte a parte”.

A reação do CDS-PP e do PSD foi de um radicalismo ideológico que não faz sentido. Dá muito bem a ideia do estado a que chegou o PSD e o CDS em Portugal”

Marques Mendes criticou ainda Pardal Henriques, que classificou como “o pior da semana” que, considerou, teve uma postura “lamentável” ao alimentar a dúvida sobre se seria candidato a deputado nas próximas legislativas ou não. No pólo oposto — “o melhor da semana”— o comentador da SIC colocou José Cid, que venceu um Grammy Latino: “É justo e merecido”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpenela@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS: Os Humanos

Fernando Leal da Costa

O Ministério não valoriza os seus melhores. Paradoxalmente, demoniza o recurso a todo o sistema, afunila a procura para um SNS saturado e, ao mesmo tempo, não valoriza os recursos humanos que tem.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
271

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)