Dentro de pouco mais de um ano, em 2021, não vai ser possível adquirir um Honda equipado com motor de combustão a gasóleo em nenhum mercado europeu. A informação foi avançada pelo próprio fabricante, segundo o qual o plano da marca para a Europa passa por ir eliminando progressivamente as versões diesel da sua gama. O diesel não será o único a desaparecer da oferta do terceiro maior construtor japonês, que também anunciou uma redução do seu portefólio. Até 2025, as actuais versões ficam reduzidas a um terço, prevendo-se que isso permita à marca reduzir os custos de produção em 10%. Segundo a Honda, essa poupança será canalizada para o investimento na pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias.

A estratégia agora anunciada decorre das metas fixadas pela União Europeia, que não deixa aos fabricantes outra alternativa se não a de se virarem para a electrificação. De outra forma incorrem em pesadas multas caso, até 2021, não estejam em conformidade com a meta de baixar as emissões de dióxido de carbono da média actual de 120,5 gramas por quilómetro para 95 g/km. Sucede que a média de emissões tem vindo a aumentar, fruto dos clientes preterirem os diesel e preferirem SUV. Por um lado, é a contínua queda nas vendas de modelos com motores a gasóleo que leva a Honda a acabar com esta alternativa na Europa, por outro, é o controlo mais apertado das emissões que está por detrás do anúncio que toda a gama estará electrificada em 2025.

No Salão de Frankfurt, a Honda apresentou o seu primeiro veículo exclusivamente bateria, o citadino Honda “e”, que chegará ao mercado em 2020. De resto, actualmente o CR-V é apenas comercializado com blocos a gasolina e numa versão híbrida, sendo que a nova geração do Jazz, que será apresentada algures em 2020 – talvez no Salão de Genebra -, só estará à venda na Europa com mecânica híbrida (não plug-in). Em 2021, o Civic é o modelo que se segue a abraçar a electrificação. Para esse ano está também anunciado o fecho da fábrica da Honda em Swindon, no Reino Unido, de onde sai o diesel 1.6, o que vai atirar 3500 trabalhadores para o desemprego.