Um homem de 38 anos morreu, esta quinta-feira de manhã, na localidade de Mosteirinho, no concelho de Tondela. A GNR suspeita que a morte tenha sido causada por uma picada de vespa asiática, mas não consegue garantir que o indivíduo tenha sequer sido picado. A suspeita deve-se ao facto de haver um ninho de vespas-asiáticas no local.

A confirmar-se a picada da vespa como causa da morte, a justificação mais provável é que o homem fosse alérgico à picada, seja ela de vespa-asiática ou vespa-europeia, e que tenha morrido na sequência de uma reação exagerada do sistema imunitário.

“Andavam várias pessoas a deitar pinheiros abaixo e um deles tinha um ninho de vespa asiática. O ninho caiu, desfez-se e elas soltaram-se”, contou o tenente-coronel António Dias, oficial de Relações Públicas do Comando Territorial de Viseu da GNR. “Supostamente, o homem terá sido mordido por uma delas, mas só a autópsia é que poderá confirmar [a suspeita]”.

As vespas-asiáticas fazem, muitas vezes, ninhos em pontos altos o que dificulta a sua deteção e eliminação. É por isso que as autoridades recomendam que as pessoas não tentem retirar os ninhos pelos seus próprios meios. Se não forem bem sucedidos a eliminar a colónia, podem ser atacados pelas vespas, que defendem ferozmente o ninho.

Na página do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas é possível encontrará indicações de como alertar as autoridades para a presença do ninho. O essencial é que a pessoa consiga identificar precisamente onde encontrou o ninho ou as vespas. Depois, é informar a Câmara Municipal (com um formulário que pode ser encontrado aqui) ou a GNR, através da linha SOS Ambiente e Território (808 200 520) do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente.

Em caso de picada de vespa, seja europeia ou asiática, o INEM recomenda “aplicação de frio no local da picada e imobilização da zona atingida”. Nos casos mais graves, as vítimas, ou quem as acompanhe, devem ligar para o 112 ou, em alternativa, para o Centro de Informação Antivenenos (800 250 250). Para os casos menos graves, o INEM aconselha que se ligue para a linha SNS24 (808 242 424).