Apesar das redes de carregadores para veículos eléctricos que os diferentes países estão a construir, associadas às que alguns fabricantes também estão a implementar – com a Tesla à cabeça –, bem como alguns operadores privados independentes, um dos maiores problemas que os utilizadores de veículos eléctricos lidam mais frequentemente é com a dificuldade em encontrar um posto de carga livre e a funcionar. Especialmente em Portugal, onde a rede da Mobi.e ainda deixa muito a desejar, em termos de manutenção.

Consciente desta realidade, a McDonald’s decidiu fazer a diferença, uma vez que a empresa americana de fast food possui a maior rede de restaurantes na Suécia, com 191 unidades (bem mais do que os 148 que existem em Portugal). Vai daí, já instalou 55 Fast Chargers a 50 kW, para que os seus clientes que se deslocam em veículos eléctricos possam “encher” as baterias enquanto “enchem” igualmente o estômago com os Big Mac ou os McNuggets.

Com o objectivo de instalar dois carregadores rápidos em todos os restaurantes, a McDonald’s sueca criou também uma sinalética para os postos de carga similar aos restantes produtos que comercializa, para que os clientes se sintam devidamente integrados. Assim, lado a lado com as promoções do Big Mac a 52 coroas suecas e o Happy Meal a 39, a rede da McDonald’s comercializa o McCharge a 2,5 coroas o minuto, ou seja, cerca de 0,23€.

A estratégia aplicada neste país nórdico não é uma novidade na Europa, uma vez que a McDonald’s já implementou uma solução similar, em 2018, na Holanda. Então, com o objectivo de instalar 168 estações de carga rápida, cada uma apta a alimentar dois veículos em simultâneo e, à semelhança do que está a acontecer na Suécia, integralmente fornecida por energia de origem renovável.

Não são conhecidos planos para aplicar a mesma estratégia em países como o nosso, também ele a braços com a falta de postos onde recarregar as baterias dos carros eléctricos já em circulação. Mas como é habitual na cadeia americana de restaurantes, as soluções para atrair e fidelizar clientes são transversais a todos os mercados, sendo desejável que, em breve, o McCharge seja tão popular nos McDonald’s nacionais como os Big Mac.