A Codacy, uma startup portuguesa que tem uma plataforma online de análise de código, fechou uma ronda de investimento de sete milhões de euros, avançou o jornal Eco e confirmou o Observador. O novo financiamento servirá para aumentar o espaço de automação e reforçar a produção e vendas. A ronda de investimento foi liderada pela capital de risco alemã Join Capital e conta com a participação da EQT Ventures e das portuguesas Armilar Venture Partners, Faber Ventures e Caixa Capital (que já tinham investido em rondas anteriores).

Ao Observador, Jaime Jorge diz que a Codacy (que, em 2014, venceu a final do concurso de startups da Web Summit) conta com 50 funcionários nos escritórios de Lisboa e Nova Iorque e que tem ainda uma rede de trabalhadores remotos na Bay Area (São Francisco, nos EUA). Parte deste financiamento vai permitir fazer crescer a equipa até 60 pessoas.

“O nosso objetivo é, no fundo, focarmo-nos nas grandes empresas, porque são aquelas que sentem maior dor [relativo a erros de código] e somos muito importantes para elas. Vamos lançar uma oferta entreprise renovada”, diz o cofundador da startup.

A empresa foi fundada em 2012 por Jaime Jorge e João Caxaria, que queriam criar uma rede de análise de código. Objetivo: encontrar erros de software para ajudar os programadores a trabalhar com mais eficiência. Dois anos depois, a startup portuguesa venceu a competição final da Web Summit, em Dublin, e ajudou a colocar Lisboa no mapa do evento organizado por Paddy Cosgrave.

A plataforma, dizia Jaime Jorge ao Observador em 2017, contava com “milhares de milhões de linhas de código a serem analisadas por semana, mais de 40 mil programadores e muitas centenas de clientes espalhados por todo o mundo”.

A revisão de código tornou-se uma parte essencial do desenvolvimento do fluxo de trabalho e os programadores passam mais de 20% do seu tempo a rever código para encontrar erros o quanto antes, assegurando a qualidade. Com a Codacy, estimamos que otimizamos o tempo que os programadores reveêm o código em 30%”, afirmou Jaime Jorge em 2017.

Agora que a Web Summit se vai realizar em Lisboa até 2028, cinco anos depois de Jaime Jorge ter estado no palco do evento em Dublin, na irlanda,o fundador diz que “o nível de maturidade do ecossistema [de Lisboa] já é interessante e também já temos números equiparáveis de unicórnios entre Portugal e Espanha, o que é um dado engraçado. Acho que estamos num nível cada vez mais interessante”, afirma.