Funcionários do tribunal de São João Novo, no Porto, queixaram-se da realização de obras de conservação durante o período laboral da manhã desta quarta-feira, o que, conforme constatou a Lusa, obrigou alguns a trabalhar de máscara.

Contactada pela agência Lusa, fonte da gestão da comarca disse que os trabalhos foram já suspensos e que se tratou de obras de reabilitação de um teto no primeiro piso do edifício de São João Novo. “Os trabalhadores estavam a tapar um buraco, o que libertou uma extensa nuvem de pó”, afirmou a fonte.

Também contactado pela agência Lusa, o presidente da delegação Norte do Sindicato dos Funcionários Judiciais, Manuel Sousa, disse que estava previsto que estes trabalhos pontuais de reabilitação se realizassem sempre depois das 16h00 ou 16h30.

Em 2 de setembro, numa cerimónia de posse de novos juízes, o presidente da Comarca do Porto lembrou que as obras no tribunal de São João Novo continuam pendentes, apesar da sua “urgência e riscos de segurança”.

Existe “perigo para quem o frequenta”, quer para quem lá trabalha quer para quem lá se desloca, reforçou José António Rodrigues da Cunha.

Esta empreitada tem sido “sucessivamente” adiada porque, explicou, o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ) quer que os serviços judiciais de São João Novo sejam mudados para módulos amovíveis, a instalar no parque de estacionamento daquele tribunal, enquanto durar o período de obras, que se estima em um ano.