É a primeira baixa do novo hemiciclo. O histórico comunista Francisco Lopes vai deixar a Assembleia da República. Quatro dias após a tomada de posse dos novos 230 deputados, o deputado do PCP vai sair do Parlamento. A informação foi avançada pelo partido através dum comunicado enviado às redações.

Como justificação, os comunistas explicam que devido à redução de deputados em relação à anterior legislatura, e que foi ditada pelos resultados de 6 de outubro, houve uma necessidade de tornar o grupo parlamentar do PCP mais versátil e capaz de chegar ao máximo de áreas possíveis com os 10 deputados que tem — recorde-se que em 2015 eram 15.

“O quadro político, as perspetivas de evolução da situação nacional e a concretização dos objetivos, projeto e papel do PCP ao serviço dos trabalhadores, do povo e do País, colocam acrescidas exigências ao trabalho de direção, à intervenção geral do PCP e também ao trabalho do Grupo Parlamentar do PCP na Assembleia da República, que vão ser respondidas por um menor número de deputados. Na consideração da resposta a esta situação e da correspondente distribuição de forças, Francisco Lopes será substituído no Grupo Parlamentar do PCP por Bruno Dias“, pode ler-se no comunicado.

Bruno Dias, que foi deputado nas últimas seis legislaturas e que não foi eleito a 6 de outubro, é o homem que se segue na lista de candidatos da CDU por Setúbal, círculo pelo qual Francisco Lopes era candidato como cabeça-de-lista. A coligação PCP-PEV elegeu três deputados e Bruno Dias, de 43 anos, era o quarto da lista. Vai assim substituir o histórico comunista que já foi candidato presidencial nas eleições presidenciais de 2011.

Quanto a Francisco Lopes, o comunicado dos comunistas explica ainda que vai manter, “no plano do Secretariado do Comité Central, a responsabilidade pelo trabalho do Grupo Parlamentar do PCP na Assembleia da República”.