Acaba de ser revelado o primeiro barco 100% eléctrico, projectado para cruzeiros no rio Sena, França, equipado com baterias de segunda vida. A embarcação, denominada Black Swan, pertence à Seine Alliance e pode navegar durante duas horas, transportando até oito tripulantes.

Propulsionado exclusivamente por dois motores eléctricos, o Black Swan é alimentado por baterias de iões de lítio já usadas, provenientes de veículos eléctricos da Renault. Cessado o seu primeiro ciclo de vida num automóvel, os acumuladores foram montados no barco da Seine Alliance, debaixo dos assentos laterais, em quatro caixas de aço inoxidável especificamente desenhadas e concebidas para garantir as necessárias segurança e estanquicidade em funcionamento.

No total, as baterias pesam 278 kg, com a Renault a realçar que este valor é inferior ao “peso do habitual tanque de combustível quando instalado um motor de combustão”. Cada hélice está ligada às baterias com uma potência nominal de 10 kW (14 cv) e máxima de 20 kW (27 cv), permitindo ao Black Swan acompanhar o ritmo das restantes embarcações que navegam no rio parisiense, onde a velocidade mínima é de 3,2 nós (6 km/h) e a máxima de 9,7 (18 km/h). Mas tudo isto sem libertar quaisquer emissões poluentes enquanto se desloca, desde que as baterias estejam na sua capacidade máxima, o que implica “duas a três horas de carregamento”.

A Renault ressalta que este projecto, que também envolve a Green Vision, visa “demonstrar a eficácia de um modelo baseado nos princípios da economia circular, de forma a reproduzir e a criar sinergias entre os vários agentes de mobilidade”.  Para o director dos Veículos Eléctricos do Grupo Renault, Gilles Normand, a materialização deste desafio vem provar que usar as baterias de veículos eléctricos como unidades de armazenamento de energia numa segunda vida constitui “uma alavanca essencial para a aceleração da transição energética”.