A polícia desalojou esta quarta-feira de manhã da autoestrada que cortaram durante a noite manifestantes independentistas catalães que entretanto se reagruparam e enfrentaram as forças de ordem numa povoação da zona.

A autoestrada que liga Espanha à França está a ser limpa, depois de a polícia ter dispersado esta manhã um grupo de separatistas que ocupava desde terça-feira esta via de comunicações estratégica.

Os manifestantes expulsos voltaram a reagrupar-se na povoação de Salt onde se entrincheiraram numa avenida principal enquanto lançam pedras às forças responsáveis pela manutenção da ordem pública.

Entretanto, a estação de comboios de alta velocidade de Girona, a capital da província, onde a anónima plataforma autodenominada “Tsunami Democrático” concentrou manifestantes antes de se dirigir novamente para a autoestrada, está protegida pela polícia.

Segundo a Efe, o grupo que está em Salt tinha-se reunido previamente em assembleia quando ainda estava a ocupar a autoestrada e decidiu manter o protesto, apesar de o “Tsunami Democrático” ter anunciado a sua dissolução.

A ação de “desobediência pacífica” sancionada pelos líderes políticos separatistas catalães começou na segunda-feira e deveria terminar três dias depois.

O grupo clandestino “Tsunami Democrático” foi responsável por uma série de ações de protesto, alguns violentos, desde a condenação há um mês de 12 líderes separatistas catalães pelo seu envolvimento em 2017 na tentativa de autodeterminação desta região espanhola.

Polícia de intervenção em Girona para retirar 200 manifestantes

Depois de na terça-feira terem sido detidas quase duas dezenas de pessoas pelas autoridades francesas e espanholas, na manhã desta quarta-feira — o terceiro dia consecutivo de protestos — os Mossos d’Esquadra, polícia catalã, foram obrigados a intervir em Salt, Girona, para conseguir desimpedir o acesso à AP-7, a autoestrada que liga Espanha a França.

Durante a manhã de terça-feira 19 pessoas foram detidas, uma pela polícia espanhola e 18 pelas autoridades francesas. As detenções ocorreram horas depois de a polícia francesa ter começado a retirar os manifestantes catalães da fronteira de Jonquera, através do uso da força, avançou o El País. Os catalães, que cortaram o acesso da AP-7, estrada que liga Espanha a França, começaram a recuar depois de atingidos com gás pimenta. Segundo o El Mundo, depois de Jonquera, os manifestantes catalães preparam-se para ir bloquear a fronteira em Behobia.

O homem detido pela polícia espanhola, cuja identidade não foi revelada, será acusado de atentado contra os agentes de autoridade, enquanto que os manifestantes levados pelas autoridades francesas ao Tribunal de Grande Instância de Perpignan poderão ser libertados pelo juiz ou acusados de impedir a livre circulação.

Durante a manhã, mais de duas mil pessoas estavam sentadas na via pública, impedindo a passagem do trânsito. Na segunda-feira passada, o Tsunami Democrático, movimento independentista catalão, apelou ao corte da estrada junto à fronteira com a França, vedando os acessos da Catalunha ao país vizinho. O objetivo é “forçar Espanha a negociar” a independência daquela região.

Pretendia-se que o protesto durasse três dias, mas ao fim de 24 horas, e de vários avisos, a polícia de choque francesa avançou na terça-feira, às 8h00 (hora local, menos uma hora em Lisboa), sobre os manifestantes. Na véspera, as forças antimotim no local já haviam alertado que iriam recorrer à força para desimpedir a fronteira, caso os catalães não desmobilizassem. Alguns manifestantes — que utilizaram automóveis e construíram barricadas com materiais de obras —  acederam ao pedido e decidiram retirar os veículos, em troca de não serem multados.

Durante todo o dia de segunda-feira, os ministros do Interior espanhol e francês, Fernando Grande-Marlaska e Christophe Castaner, mantiveram-se em “comunicação constante”, segundo fontes do governo citadas pelo El País. Foi então que a polícia francesa recebeu ordens para desimpedir a fronteira. No entanto, como com a chegada da noite não era seguro avançar com a desmobilização, as autoridades aguardaram pelo amanhecer.

[Em Espanha, os protestos do “Tsunami Democrático” seguem para a fronteira do País Basco]

Manifestantes derrubam contentores de lixo em Barcelona para impedir circulação

Mais de duas centenas de manifestantes convocados pelos Comités de Defesa da República cortaram noite as vias de acesso à Diagonal de Barcelona, uma das vias principais da cidade, derrubando contentores do lixo que impedem a circulação automóvel.

Por outro lado, cerca das 22h30 locais (21:30 em Lisboa), a via principal estava completamente ocupada por uma marcha que se dirige em direção à zona do estádio do Barcelona, constatou a Lusa no local.  Os manifestantes são acompanhados, à frente e atrás da marcha, por elementos da polícia nacional e da guarda urbana.

Os Comités de Defesa da República, que usam as redes sociais para mobilizar os independentistas, juntaram-se, desta forma, às mobilizações convocadas pela plataforma independentista “Tsunami Democrático”, e marcaram também para esta noite concentrações em zonas centrais e de grande circulação automóvel da capital catalã.

Os manifestantes gritam palavras de ordem como “Fora as forças de ocupação” e “Libertação para os presos políticos”.

(Artigo atualizado a 14 de novembro, às 8h11)