O guru indiano Nithyananda, que se auto-proclama como divindade e líder espiritual hindu ao mesmo tempo que anda fugido da polícia por estar acusado de crimes de violação e rapto, fundou um país sem fronteiras que apenas aceita hindus.

Segundo a edição internacional do jornal britânico The Guardian, Nithyananda, cuja interpretação do hinduísmo tem milhões de seguidores na Índia, é procurado pela polícia do estado indiano de Gujarate por ter, alegadamente, raptado crianças para recolherem donativos nas ruas e também violado um dos seus seguidores.

Agora, sabe-se que Nithyananda criou a República de “Kailaasa”, um país sem território destinado a permitir aos hindus que pratiquem o hinduísmo em liberdade, como se lê no site do país na internet. O país emite passaportes a hindus praticantes que façam uma contribuição para o governo liderado por Nithyananda — que aprova pessoalmente todos os pedidos de nacionalidade.

Kailaasa deverá ficar sediado numa ilha privada ao largo do Equador, que será comprada pelos contribuidores do guru espiritual. Mas o objetivo é que os nacionais de Kailaasa também vivam nos seus países de origem e possam praticar o hinduísmo enquanto cidadãos daquele país descrito como “cósmico”. Na ilha, os cidadãos terão direito a serviços de saúde gratuitos, distribuição gratuita de alimentação e educação gratuita. O país tem a sua própria bandeira, constituição e moeda.

O polémico guru espiritual alega ser capaz de realizar feitos sobrenaturais, incluindo atrasar o nascer do sol, ver através de paredes, pôr vacas a falar e curar crianças cegas. Mas, ao mesmo tempo, multiplicam-se os relatos de abusos verbais e sexuais praticados por Nithyananda no seu ashram (residência de comunidade espiritual hindu). Um dos principais mistérios está relacionado com a morte de um dos seus seguidores em 2014 em circunstâncias ainda por apurar.