Foi contratado pelo Benfica em 2010 ao Real Madrid (clube que representava apenas há um ano, após passagens por Flamengo e Celta de Vigo devido à atividade profissional, o ex-jogador Adalberto), acabou por ser cedido aos ingleses do Bolton, regressou para três temporadas na Luz, está no Valencia desde 2014. Rodrigo, hoje com 28 anos, deixou boas referências em Portugal antes de voltar a Espanha. Hoje (re)conquistou a Europa.

O avançado já tinha sido fundamental na vitória dos ingleses em Stamford Bridge frente ao Chelsea que acabou por tornar-se determinante para a caminhada surpreendente do Valencia na Liga dos Campeões, marcando o único golo do jogo; esta noite, Rodrigo foi o herói dos espanhóis no triunfo em Amesterdão diante do Ajax que valeu não só a passagem aos oitavos da principal prova europeias mas também o primeiro lugar do grupo, à frente do Chelsea que derrotou esta noite o Lille por 2-1. Cinco jogos na Champions, dois golos decisivos, num total de 19 encontros realizados onde marcou “apenas” quatro golos mas com peso na carreira da equipa, a que se somam ainda mais três golos em quatro partidas disputadas pela seleção espanhola.

O antigo jogador encarnado, que ganhou em Portugal um Campeonato, uma Taça e duas Taças da Liga, já tinha sido notícia também ao serviço da seleção espanhola na presente temporada, ao marcar o golo do empate da Roja frente à Suécia nos descontos que valeu o apuramento para o Campeonato da Europa de 2020.

No meio dos feitos de Rodrigo, quem acabou por cair com estrondo foi o Ajax, que na temporada passada teve uma campanha fantástica na Liga dos Campeões ao atingir as meias-finais, onde foi afastado pelo Tottenham. Apesar de dependerem apenas de si próprios para a passagem, os holandeses voltaram a deixar-se surpreender na Johan Cruyff Arena depois de já terem perdido para o Campeonato com o Willem II após mais de dois anos sem desaires como visitado na Eredivisie, caindo assim para a Liga Europa com Inter, Benfica e Salzburgo.