Microsoft, Tesla, Dell, Apple e Google estão entre as gigantes tecnológicas que estão a ser acusadas de compactuar com fornecedores de cobalto que usavam crianças para trabalhar nas minas, na República Democrática do Congo. Segundo o processo, noticiado pelo The Guardian, esse trabalho de produção de um componente importante para as baterias causaram mortes e ferimentos graves a várias crianças.

Este poderá ser um processo com implicações profundas no setor tecnológico mundial, desde logo porque as maiores empresas estão identificadas como clientes de empresas que usavam crianças para trabalhar nas minas. O processo foi apresentando em Washington DC, nos EUA, pela International Rights Advocates em representação de 14 pais e crianças congolesas.

Os queixosos argumentam que as crianças estavam a trabalhar ilegalmente em minas de cobalto detidas pela britânica Glencore, que escoa parte da produção para uma outra empresa chamada Umicore que, por sua vez, vende este minério a empresas como as gigantes já citadas. Este é um setor que tem sido marcado por uma procura insaciável pelos componentes que são essenciais para a produção de baterias recarregáveis.

As crianças, segundo o processo, tentavam fugir à pobreza extrema trabalhando a troco de cerca de 2 dólares por dia nas minas, escavando à procura de pedras de cobalto com ferramentas primitivas dentro de túneis subterrâneos escuros. Essas condições de trabalho terão levado à morte e a ferimentos graves em várias crianças, algumas das quais terão ficado paralisadas na sequência de acidentes.