Uma sondagem da Intercampus para o Jornal de Negócios e o Correio da Manhã indica que se houvesse eleições hoje o PS tinha 33,9% das intenções de voto e o PSD ficava atrás com 25,7% — o que, comparando com a projeção feita no mês passado, evidencia uma pequena subida do PSD (0,8 pontos) e uma ligeira descida do PS (1 ponto). Feitas as contas, a distância entre os dois encurta-se 1,8 pontos, estando agora os dois afastados por 8,2 pontos. Em outubro, a distância era de 10,8.

De acordo com a mesma projeção, o Bloco de Esquerda mantém-se como terceira força, com 10,7% dos votos, ficando estável face aos meses passados. Já a CDU desce de 8,1 para 6,3, depois de em novembro ter registado uma subida nas intenções de voto.

O PAN aparece de seguida, com 6,1% das intenções de voto, registando o valor mais alto dos últimos três meses, seguindo-se o Chega (sobe de 4,8% em novembro para 5,7% em dezembro) e só depois o CDS, que se fica pelos 3,9%. A Iniciativa Liberal fixa-se nos 2,4%, segundo a mesma sondagem. Maior queda regista o Livre, que passa de 2,7% no mês passado para 1,1% este mês.

Também em termos de imagem junto dos eleitores, Rui Rio sobe ligeiramente de 2,7 pontos para 3, enquanto António Costa desce de forma pouco significativa, de 3,2 pontos para 3,1.

A sondagem foi realizada entre 12 e 17 de dezembro, apanhando a entrega do Orçamento do Estado no Parlamento, que aconteceu a 16 de dezembro. A amostra é composta por 606 entrevistas, tendo a taxa de resposta sido de 64,7%.