O que se pode dar como presente de aniversário a alguém como Pep Guardiola que pode ter quase tudo? A resposta não é propriamente fácil mas, no caso do treinador espanhol que fez este sábado 49 anos, até poderia ser um carro, a fazer contas às informações reveladas no livro Pep’s City: The Making of a Superteam, de Lu Martín e Pol Ballús, que analisa os segredos para os 28 títulos na carreira como técnico entre episódios mais caricatos fora da vida dos relvados que envolvem um “condutor azarado” que já estragou quatro carros só desde que chegou a Inglaterra em 2016 com um orçamento de reparações que já passou a barreira dos 500 mil euros – e que tanto pode envolver retrovisores danificados, choques com outras viaturas ou enganos entre gasolina e gasóleo.

“Os retrovisores são os mais danificados”. Pep Guardiola, um campeão a destruir carros

No entanto, e como qualquer pessoa ligada ao futebol habituada aos sortilégios de comemorar aniversários em jogo ou viagem, a prenda mais desejada era mesmo uma vitória, até por tudo o que envolveu a equipa do Manchester City esta semana depois de ter sido revelada uma festa bunga bunga marcada pelos jogadores num espaço da cidade próximo das suas residências com 22 modelos italianas conhecidas por serem instagramers e que viajaram de propósito de Milão, ficando hospedadas no luxuoso Mere Golf Resort and Spa de Knutsford.

“Um tipo com ligação a alguns jogadores organizou tudo durante os últimos meses. As mulheres eram bonitas e divertiram-se muito. Acredito que os jogadores também se tenham divertido”, comentou uma fonte próxima dos organizadores desta festa de Natal atrasada do plantel que correu mundo mas que nem por isso causou mossa na relação com Pep Guardiola. “Eu sabia da festa. Quando eles têm tempo, jantam juntos com o pessoal do clube. Eu sei e gosto quando se juntam fora daqui, por vezes em casa, outras em restaurantes. Está tudo bem”, disse.

Está tudo bem ou estava porque entretanto a bola começou a rolar e a equipa comandada pelo espanhol, que recuperara o segundo lugar da Premier League após a derrota do Leicester com o Southampton, voltou a despistar-se frente a um Crystal Palace que já no ano passado tinha conseguido tirar pontos no Etihad Stadium: depois de uma primeira parte onde os citizens dominaram por completo, tiveram uma bola na trave (De Bruyne, de livre direto) mas saíram a perder no único remate dos visitantes (Cenk Tosun, 39′), Kun Agüero fez a reviravolta já nos últimos dez minutos minutos (82′ e 87′) mas Fernandinho, num lance infeliz onde desviou para a própria baliza um cruzamento rasteiro de Zaha, fez o 2-2 final em cima do minuto 90.

Com este resultado, o Manchester City corre o risco de ser de novo apanhado no segundo lugar caso o Leicester vença este domingo o Burnley e o Liverpool, que tem 14 pontos de avanço com dois encontros em atraso, pode dar mais um passo de gigante para quebrar o jejum de 30 anos sem títulos na receção ao Manchester United.