535kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

História, feminismo e moda elevada a arte. Já começou a semana da alta-costura, em Paris

Este artigo tem mais de 2 anos

Foi o primeiro de quatro dias dedicados à alta-costura. Schiaparelli reavivou uma herança com quase 100 anos. A Dior continua investida em cruzar moda e arte. Giambattista Valli faz Paris sonhar.

57 fotos

Durante quatro dias, Paris, a inquestionável capital da alta-costura, é a montra dos grandes ateliers para o mundo. A segunda semana da moda do ano (depois da de pronto-a-vestir masculino) arrancou na última segunda-feira, com propostas das principais maisons, mas também de marcas estrangeiras, para a próxima primavera-verão. O calendário começou em força com os desfiles da Schiaparelli, da Dior, de Iris van Herpen, Geroges Hobeika e Ralph & Russo, entre outros, mas ainda com grandes nomes da moda pela frente — Chanel, Armani e Valentino incluídos.

A agenda fica marcada por aquele que será o último desfile de Jean Paul Gaultier, depois de o criador ter anunciado que se vai retirar da alta-costura. Mas a moda é um universo em trânsito e, na última segunda-feira, a Balenciaga anunciou o seu regresso à alta-costura, já na próxima temporada, em julho deste ano. A maison, fundada por Cristóbal Balenciaga e atualmente sob a direção criativa do georgiano Demna Gvasalia, não produz uma coleção de atelier desde 1968.

Schiaparelli, uma arte com mais de 90 anos

Exuberância e uma mestria absoluta na manipulação dos materiais continuam a ser as assinaturas da histórica maison fundada por Elsa Schiaparelli em 1927. Depois de ter brilhado na passadeira vermelha dos SAG Awards, com o vestido usado pela atriz Cynthia Erivo, para não falar no visual de Beyoncé nos últimos Globos de Ouro, coube à marca (quase centenária) inaugurar o calendário de desfiles em Paris. Uma honra mais do que merecida, sobretudo quando falamos de um nome que se confunde com a história da própria alta-costura francesa.

© Stephane Cardinale - Corbis/Corbis via Getty Images

Corbis via Getty Images

Daniel Roseberry é, há quase um ano, o maestro de um atelier onde não há volumes, materiais ou construções impossíveis e a coleção apresentada na última segunda-feira é o melhor exemplo disso, embora prove ainda a versatilidade de uma marca que teve, necessariamente, de se adaptar a novos códigos. Com blazers, trench coats, mas também com vestidos extravagantes, volumes gritantes e notas de surrealismo, o designer construiu uma coleção tão eclética quanto os apetites do novo século. O ponto de partida, segundo revelou, foi um conjunto de imagens da manequim australiana Elle Macpherson em fato de banho.

Através das joias — longos brincos, pérolas, cristais e pregadeiras sobre os tecidos, pulseiras que trepam braço acima e até óculos usados como meros adornos — trouxeram a herança surrealista de Elsa Schiaparelli para a passerelle. A discrição não faz certamente parte do léxico da marca francesa. Em vez disso, é o sonho e a arte que a aproximam tanto da linguagem da alta-costura.

“E se as mulheres dominassem o mundo?”

Um desfile de alta-costura de Maria Grazia Chiuri para a Dior raramente é só mais um desfile. Em quase quatro anos à frente de uma das mais emblemáticas casas de alta-costura francesas, a designer italiana convocou artistas, cenógrafos, artesãos, escritores e pensadores, sempre para proporcionar algo mais, para induzir uma reflexão. A par disso, Chiuri ergueu a bandeira feminista desde o primeiro dia — alargou cinturas há décadas espartilhadas, estampou palavras de ordem em t-shirts brancas e aludiu, através da moda, à muitas vezes opressiva e castradora condição feminina.

© Dominique Charriau/WireImage

WireImage

“E se as mulheres dominassem o mundo?” — a pergunta surgiu bordada num grande estandarte de seda, ao fundo da passerelle. Ao início da tarde de segunda-feira, a Dior montou a sua própria sala de desfiles no jardim do Museu Rodin, um pavilhão insuflável que estará aberto ao público durante uma semana, com todos os estandartes criados para a apresentação. Chiuri colaborou com Judy Chicago, a artista feminista que, nos anos 70, desenhou a silhueta agora reproduzida pela grande estrutura branca. Em vez de sala de desfiles, a designer optou por chamar-lhe galeria. “Posso ter uma galeria com arte lá dentro e que também tem manequins a desfilar”, referiu, citada pelo The Guardian.

Para a coleção, Chiuri convocou uma série de referências greco-romanas, das sandálias rasas e dos drapeados, aos vestidos de alças e capas. Completou o arranjo com uma linha de fatos sofisticados — alguns alinhados com a alfaiataria masculina, outros compostos por blazer e saia ao estilo new look. Os bronzes e dourados predominaram.

Valli e a alta-costura aberta ao público

Em vez de um desfile à porta fechada, Giambattista Valli, que no passado mês de novembro lançou uma coleção em parceria com a H&M, montou uma exposição no Jeu de Paume, em Paris. As portas estão abertas a clientes, jornalistas e críticos, mas também a todos os curiosos que queriam espreitar as propostas de atelier do criador italiano para a próxima primavera. “Por vezes, o mundo da moda pode ser demasiado exclusivo, é bom torná-lo mais inclusivo. Acho que é bom poder ter as portas abertas às pessoas de Paris e poder partilhar a minha ideia de beleza italiana e de onde venho — especialmente numa altura como esta”, explicou Valli à revista Vogue.

© Giambattista Valli

A coleção em causa mais parece um sonho harmonioso de detalhes, técnica, cor e forma. O perfecionismo que trouxe Valli para Paris e o levou a aventurar-se no mundo da alta-costura está presente em cada um dos 34 coordenados expostos na Place de la Concorde, no centro da capital francesa, na forma de bordados, da aplicação de pedras, plumas e transparências, no balanço de padrões florais exuberantes e cores sólidas e na manipulação tecidos ricos e volumes.

Uma coleção com origem da paisagem da costa amalfitana, mas também nos grandes ícones de estilo das décadas de 60 e 70, entre eles Marella Agnelli, Lee Radziwill e Jackie Onassis. Antes de montar a exposição, Valli fotografou a coleção em estúdio. Os mestres Richard Avedon e Irving Penn influenciaram-no — ângulos, profundidade e uma lente olho de peixe. As imagens estão agora a correr as redes sociais.

Na fotogaleria, veja imagens das principais coleções apresentadas neste primeiro dia da semana de alta-costura, em Paris.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.