São várias as marcas que se têm dedicado ao tema de desperdício zero, em prol do bem-estar do planeta. Entre elas, está a Samsung que dá uma ajuda com o Food Skills e o Family Hub.

O projeto

São duas palavras apenas que podem ajudar a mudar a forma como muitas famílias encaram a alimentação: Food Skills. Cláudia Rodrigues, diretora de Marketing e Comunicação da Samsung, ajuda-nos a perceber do que se trata. “O Food Skills tem como objetivo ajudar a capacitar as famílias para uma gestão alimentar mais consciente”, recorrendo a uma “abordagem educacional que ajude de forma efetiva a melhorar a vida das pessoas, promovendo refeições mais seguras, nutritivas e informadas, combatendo o desperdício alimentar e energético.”

A responsável dá um exemplo prático: “Quantas vezes nos esquecemos de alimentos no frigorífico ou na despensa, que perdem a validade ou deixam de estar em condições para serem consumidos?”. Mais vezes do que seria desejável, certamente.

A chamada de atenção para este e outros temas será feita através de vídeos protagonizados por Isabel Zibaia Rafael, blogger e autora de diversos livros de receitas, que irá, em conjunto com alguns convidados, dar conselhos e dicas sobre consciência de consumo, a importância da rotulagem, o respeito pelos alimentos e a preparação e confeção de refeições saudáveis. Esses vídeos serão publicados na página da iniciativa bem como no canal de YouTube da Samsung Portugal.

O equipamento

Este projeto Food Skills não se fica pelos conteúdos e encontra extensão num dos mais recentes lançamentos da Samsung, o frigorífico Family Hub.

Chamar-lhe frigorífico é quase redutor: este é um equipamento verdadeiramente inovador e interativo que, como descreve Cláudia Rodrigues, “incorpora a mais recente tecnologia a nível de refrigeração e um conjunto de funcionalidades que permitem potenciar e promover o conceito Food Skills diariamente em qualquer agregado familiar.”

8 fotos

Entre essas funcionalidades, destacam-se o ecrã tátil que o transforma num ponto de informação e entretenimento e promove a interação – até é possível usá-lo para atender chamadas – e as duas câmaras internas que permitem visualizar o que está no interior, a qualquer momento, através do telemóvel ou tablet, permitindo assim otimizar a gestão alimentar. Como conclui Cláudia Rodrigues, “o utilizador só compra o que realmente precisa e está em falta, o que leva não só a uma efetiva poupança monetária mas também ajuda a evitar o consequente desperdício alimentar”.

O futuro

Chegámos a um momento tecnológico em que os frigoríficos com câmaras internas e ecrãs táteis, como o Family Hub, podem fazer parte do dia a dia familiar. Que sinal dos tempos é este? Que cozinhas teremos no futuro? “A cozinha é a divisão onde passamos grande parte do tempo quando estamos em casa, é cultural”, afirma Cláudia Rodrigues. Segundo a mesma responsável, “queremos espaços mais conectados e digitais, que incluam tecnologia capaz de nos permitir melhorar o nosso estilo de vida, e a cozinha não é exceção.” Ou seja, estamos apenas no início da revolução. Até porque, como refere para concluir: “O futuro não está assim tão distante.”