Itália continua a ser o país do mundo com maior número de mortos, vítimas da pandemia, contabilizando já 18.849. Apesar deste número elevado, o pico do surto parece estar cada vez mais distante e a curva da propagação do coronavírus mantém a sua tendência decrescente. Os dados mais recentes da Proteção Civil dão conta de mais 3.951 novos contágios nas últimas 24 horas (na véspera tinham sido 4.204). Registaram-se também mais 570 mortes.

A imprensa italiana, que faz as contas apenas aos casos ativos no país (atualmente 98.273 infetados, de um total acumulado de 147.577) nota que entre estes, os que estão ainda positivos, o aumento foi de 1.396 novos contágios. Por outro lado, 30.455 doentes encontram-se recuperados.

Também o número de internados nos cuidados intensivos também está a descer, com 108 internados a saírem desta unidade nas últimas 24 horas. Há ainda 3.497 em estado crítico.

Apesar de ter havido quase quatro mil novos casos em Itália nas últimas 24 horas, os números continuam a descer em relação ao pico atingido a 21 de março, data em que registaram 6.557 novas infeções. Essa marca não voltou a ser ultrapassada. Vinte dias depois, apesar de a queda não ser constante e ter havido altos e baixos, o número de novos contágio é de 3.951.

De 21 de março para cá, o valor mais baixo de novos casos aconteceu a 7 de abril, com registo de 3.039 novos casos positivos.

No que toca a mortes, a tendência de queda também se mantém: contaram-se mais 570 óbitos, quando na véspera tinham sido registados 610. Apesar de não ser o valor mais baixo, é a maior queda percentual até ao momento: – 3,1%.

O pico de mortes foi a 27 de março, com 919 óbitos registados, e desde então esse valor não voltou a ser atingido.