O Presidente de França, Emmanuel Macron, anunciou nesta segunda-feira o prolongamento do período de isolamento social no país até ao dia 11 de maio. Numa comunicação ao país transmitida pela televisão, Macron elogiou os franceses, deixou uma mensagem de esperança e delineou os planos do governo francês para os próximos tempos.

Durante o discurso, Macron reconheceu como o período de isolamento está a provocar “fadiga e cansaço para alguns, luto e tristeza para outros” – e admitiu que “esse período é ainda mais difícil de viver quando várias pessoas vivem num apartamento exíguo, quando não se tem à disposição em casa os meios de comunicação necessários para aprender”.

O Presidente francês lembrou ainda os idosos, que vivem um período de “solidão e tristeza”, e elogiou os franceses que têm atuado em três linhas. Na primeira linha, os profissionais de saúde e das forças de emergência, que têm dado “toda a sua energia para salvar vidas“; na segunda linha, os agricultores, professores, camionistas, funcionários das limpezas, jornalistas e todos os que “permitiram que a vida continuasse”; e na terceira a linha todos os franceses que têm respeitado as regras de confinamento.

“Os resultados estão aí. Várias regiões podem ter sido poupadas. Nos últimos dias, o número de pacientes em cuidados intensivos diminuiu. A esperança renasce”, disse Macron.

Mas, continuou o Presidente francês, é necessário continuar o esforço. “Quanto mais forem respeitadas as regras, mais vidas se salvarão. É por isso que o mais rigoroso confinamento ainda deve continuar, até segunda-feira, 11 de maio“, disse Macron. “Essa é a condição para retardar ainda mais a propagação do vírus, para conseguir encontrar lugares em cuidados intensivos e para permitir que os nossos cuidadores recuperem as suas forças.”

Depois de pedir aos franceses o esforço de continuarem em confinamento até ao dia 11 de maio, Emmanuel Macron detalhou os planos do governo francês para os próximos tempos:

  • Até 11 de maio: confinamento total como até agora.
  • A partir de 11 de maio:
    • Reabertura gradual de creches, escolas e universidades.
    • Mantêm-se fechados locais públicos como restaurantes, cafés, hotéis, cinemas, teatros, salas de concerto e museus.
    • Estado vai garantir, através das autoridades locais, distribuição de máscaras ao público em geral, para utilizar em profissões mais expostas ao contacto com o público e nos transportes públicos.
  • Até meados de julho: continuam proibidos os eventos com grande audiência, como festivais e concertos.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, terminou a comunicação ao país com uma mensagem de esperança e com a promessa de mais investimento na investigação da doença. O objetivo é realizar “todos os ensaios clínicos” que for possível para garantir que “todas as linhas de investigação” são seguidas.

Segundo os dados mais recentes, morreram em França 14.967 pessoas devido à Covid-19. Esta segunda-feira, este número sofreu um aumento de 574 face ao registado no domingo.