O Presidente dos EUA sugeriu na quinta-feira, durante a conferência diária, a injeção de desinfetante numa pessoa infetada e o uso de raios ultravioleta como forma de eliminar a Covid-19, limpando os pulmões. A sugestão chocou a comunidade científica, que a classificou como “irresponsável e perigosa”. Mas, esta sexta-feira, garantiu que as suas declarações foram “sarcásticas”.

“Fiz uma pergunta sarcasticamente aos jornalistas”, declarou esta sexta-feira o Presidente norte-americano, quando questionado sobre os seus comentários acerca da eficácia de desinfetantes para combater a pandemia de covid-19.

Joe Biden, candidato democrata às eleições nos Estados Unidos, já reagiu aos declarações de Trump. Numa publicação no Twitter, escreveu: “Não acredito que tenho de dizer isto, mas por favor não bebam lixívia”.

A intervenção de Trump aconteceu depois de Bill Bryan, que dirige a divisão de ciência e tecnologia do Departamento de Segurança Interna, ter apresentado a mais recente investigação da sua equipa, que conclui que o vírus não sobrevive por longo períodos em temperaturas mais quentes e húmidas. Segundo Bryan, “o vírus morre mais rapidamente quando exposto à luz do sol”, o que levou Trump a questionar se seria possível levar a luz “para dentro do corpo”.

“Atingimos o corpo com uma tremenda intensidade, seja ultravioleta ou apenas uma luz muito poderosa”, disse Trump, explicando: trazendo “a luz para dentro do corpo, o que pode ser feito através da pele ou de alguma outra maneira”. Logo a seguir, Trump teve outra ideia, questionando se seria possível de a colocar em prática:

Vejo o desinfetante, que derruba o vírus num minuto. Um minuto. Haverá alguma forma de fazer algo do género, como injetar ou fazer o género de uma limpeza numa pessoa?”.

A comunidade científica foi rápida a contra-argumentar as “mensagens de saúde inadequadas” do Presidente norte-americano. “Esta noção de injetar ou ingerir qualquer tipo de produto de limpeza é irresponsável e perigosa”, disse Vin Gupta, pneumologista e especialista em políticas de saúde pública, em declarações à NBC News. “É um método comum que as pessoas utilizam quando se querem matar”, acrescentou.

Qualquer quantidade de lixívia ou álcool isopropílico ou qualquer tipo de desinfetante doméstico comum é inadequado para ingestão, mesmo em pequenas quantidades. Pequenas quantidades são mortais”, disse Gupta.

Nas redes sociais, a intervenção de Trump também tem sido duramente criticada por médicos, que pedem aos norte-americanos que não sigam as sugestões do presidente dos EUA.

[Artigo atualizo às 20h00 de dia 24 de abril com as declarações de Donald Trump em que garante que estava a ser irónico]