O Presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou esta segunda-feira um novo confinamento de quatro dias a partir de sábado para prevenir a propagação do coronavírus, apesar de sublinhar que as medidas restritivas vão ser progressivamente aliviadas.

“Vai entrar em vigor uma proibição de sair à rua entre 16 e 19 de maio”, declarou Erdogan numa comunicação ao país após um conselho de ministros em Istambul.

Desde há várias semanas que o governo turco proíbe a saída à rua da população durante o fim de semana, uma medida destinada a evitar aglomerações.

Erdogan considerou, no entanto, que a Turquia “controlou a epidemia”, em regressão no país em termos de casos e de mortes de acordo com os números oficiais, e sublinhou que será decidido um alívio das medidas impostas para conter a propagação do vírus.

Assim, as pessoas com mais de 65 anos, submetidas a um confinamento total desde 21 de março, poderão de novo sair de suas casas durante quatro horas no próximo domingo após uma medida similar adotada no último fim de semana.

Esta segunda-feira, os centros comerciais e os cabeleireiros começaram a reabrir na Turquia.

Erdogan anunciou ainda que as restrições nos transportes, até agora em vigor em 25 províncias, serão levantadas em nove dessas regiões.

Contudo, advertiu os cidadãos contra as atitudes de relaxamento.

“O processo de normalização não deve ser entendido como um regresso à situação que prevalecia antes de 10 de março”, quando a Turquia registou o seu primeiro caso da Covid-19, declarou.

Assim, exortou os turcos a não saírem à rua de cara descoberta, indicando que cerca de 450 milhões de máscaras já foram distribuídas até ao momento.

A Turquia registou oficialmente cerca de 140.000 casos do novo coronavírus e mais de 3.800 mortes, indica o último balanço oficial esta segunda-feira divulgado.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 282 mil mortos e infetou mais de 4,1 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,3 milhões de doentes foram considerados curados.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (79.825) e mais casos de infeção confirmados (mais de 1,3 milhões).

Seguem-se o Reino Unido (32.065 mortos, mais de 222 mil casos), Itália (30.739 mortos, mais de 219 mil casos), Espanha (26.744 mortos, mais de 227 mil casos) e França (26.643 mortos, mais de 176 mil casos).

Por regiões, a Europa soma mais de 156.400 mortos (mais de 1,7 milhões de casos), Estados Unidos e Canadá mais de 84.300 mortos (cerca de 1,4 milhões de casos), América Latina e Caribe mais de 20.800 mortos (mais de 373 mil casos), Ásia mais de 10.700 mortos (cerca de 300 mil casos), Médio Oriente mais de 7.600 mortos (mais de 227 mil casos), África mais de 2.200 mortos (mais de 63 mil casos) e Oceânia com 125 mortos (mais de 8.200 casos).