A Cáritas Portuguesa anunciou esta quinta-feira uma nova estratégia para inverter a curva da pobreza em Portugal, centrada em quatro vetores e canalizando a ação no terreno para dar resposta aos efeitos provocados pela covid-19. “A partir de hoje, toda a nossa ação canaliza-se para dar resposta aos efeitos provocados pela covid-19”, informou a Cáritas Portuguesa num comunicado em assinala o início de “uma nova fase de ajuda às famílias”.

A estratégia centra-se em quatro níveis de atuação: apoio de primeira linha; apoio de recuperação sócio económica inclusiva; apoio à capacitação da estrutura social da rede nacional Cáritas e apoio à rede Cáritas Internacional.

A nova fase foi simbolicamente divulgada hoje, Dia de Corpo de Deus, “para dar um sinal à sociedade portuguesa do compromisso com os mais pobres”, afirmou Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa, citado no comunicado em que a instituição apela à população para que acredite “é possível, através de mais justiça social e solidariedade, erradicar a pobreza absoluta”.

Para além dos donativos individuais a Cáritas reforça a necessidade de cooperação com as entidades locais, com as organizações com o mesmo fim e com as empresas. A instituição, que desde o início da pandemia da covid-19 alertou para as consequências, sublinhou o aumento de “novas situações de pedidos de apoio” que evidenciam ter chegado “a hora de reforçar e multiplicar a ação” no terreno.

“Pela nossa capacidade de proximidade, estamos junto daqueles que procuram a nossa ajuda nas comunidades um pouco por todo o país”, lembra Eugénio Fonseca, acrescentando que a Cáritas, precisa “de todos” para garantir que “tudo é feito para que as famílias, possam recuperar a sua vida ou redesenhar o seu caminho.”

Nesse sentido os donativos podem ser feitos através do site ou da Conta Solidária “Inverter a Curva da Pobreza”: PT50 0045 9020 4032 6607 7081 5 (Caixa Agrícola).

Desde o início da atual crise provocada pela propagação do novo Coronavírus a rede das 20 Cáritas Diocesanas responde ao aumento na procura de ajuda nos grupos considerados de apoio prioritário: população sénior, famílias e crianças em situação de vulnerabilidade, pessoas em situação de sem-abrigo, migrantes em situação de vulnerabilidade social.

De acordo com o comunicado a Cáritas Portuguesa disponibilizou, em abril, uma verba de apoio às Cáritas Diocesanas que nunca pararam o seu trabalho no terreno e identificaram como principal necessidade o acesso a bens alimentares.