No final de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o líder comunista foi questionado se, perante as novas medidas restritivas na Área Metropolitana de Lisboa, o PCP poderia reavaliar a realização do evento, que marca anualmente a ‘rentrée’ comunista. “Pela enésima vez, dizer que a festa está marcada desde o ano passado, estamos a pensar realizá-la, acompanhada naturalmente de uma avaliação das circunstâncias em que ela se vai realizar“, disse.

O líder do PCP defendeu o que tem sido o “sentido de responsabilidade” do partido nesta pandemia e a sua intenção de tentar o “regresso à normalidade”, mas sem prejudicar a saúde pública. “Mantemos a Festa do Avante!, mas pesaremos e bem as circunstancias em que se possa realizar”, assegurou.

O evento está marcado para entre 4 e 6 de setembro no concelho do Seixal, que faz parte da Área Metropolitana de Lisboa. Nas suas últimas edições, o Avante, jornal oficial do PCP, tem noticiado os trabalhos de preparação da festa na Quinta da Atalaia, Seixal, incluindo os anúncios de compra de bilhetes.

A Área Metropolitana de Lisboa (AML) está sujeita, a partir de hoje, a medidas mais restritivas para conter os casos de Covid-19 — como a proibição de ajuntamentos de mais de dez pessoas ou o encerramento de todos os estabelecimentos comerciais a partir das 20:00 (exceto restaurantes) — e quem desrespeitá-las pode incorrer em crime de desobediência, determinou o Governo.

Portugal regista hoje mais seis mortos relacionados com a Covid-19 do que na segunda-feira e mais 345 infetados, 87% dos quais na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Os dados da DGS indicam 1.540 mortes relacionadas com a Covid-19 e 39.737 casos confirmados desde o início da pandemia.