A H&M registou um prejuízo de 292 milhões de euros no primeiro semestre do ano fiscal (dezembro a maio), o que se deveu à pandemia de Covid-19, anunciou esta sexta-feira a cadeia de moda sueca, presente em Portugal.

Há um ano, no mesmo período em análise, tinha reportado um lucro de 512 milhões de euros, refere a H&M em comunicado.

O resultado operacional líquido (Ebit) caiu 60% para 661 milhões de euros, enquanto a margem bruta passou de 52,9% para 49,4% das vendas, de acordo com os balanço e contas esta sexta-feira apresentado em Estocolmo.

As vendas caíram 25% entre 1 e 24 de junho, em moedas locais, explicou a empresa sueca, que mantém 350 estabelecimentos fechados, cerca de 7% do total. Para além disso, um número elevado das lojas que estão abertas deparam-se com restrições e horários de funcionamento limitados.

A H&M refere ainda que no segundo trimestre (de março a maio), o resultado líquido passou de 435 milhões de euros no exercício anterior, para um prejuízo 476 milhões de euros no ano fiscal em análise.

As vendas atingiram os 2.731 milhões de euros, menos 50% em moedas locais que no ano fiscal anterior e num trimestre em que 80% das lojas H&M fechou devido à crise provocada pelo novo coronavírus.

A liquidez da empresa, por seu lado, “é boa” e ascendia em 31 de maio a 1.210 milhões de euros e somando as facilidades de crédito não utilizadas totalizava 2.976 milhões de euros.