Os reitores das universidades alertam que é preciso reforçar as verbas das instituições para garantir o regresso presencial dos estudantes em setembro, tendo em conta os efeitos da pandemia de Covid-19.

Na sexta-feira, representantes dos reitores das universidades vão ser ouvidos pelos deputados da comissão parlamentar de Educação, Ciência, Juventude e Desporto, a quem vão garantir que estão preparados para o reinício do ensino presencial em setembro.

O presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), Fontainha Fernandes, vai, no entanto, alertar que é preciso mais dinheiro para garantir o regresso de todos e em segurança.

Em comunicado enviado, esta quinta-feira, para a Lusa, o CRUP volta a alertar que será preciso reforçar as verbas da ação social, uma vez que houve um aumento de famílias que perderam rendimentos durante a pandemia, entre as quais se encontram muitos estudantes do ensino superior.

Além disso, as escolas precisam de melhorar os espaços, que terão de estar “livres de Covid-19”, assim como precisam de adquirir mais meios informáticos e digitais, acrescenta o CRUP.

Por isso, o “Contrato de Legislatura”, que foi assinado entre as instituições e o Governo em novembro do ano passado, terá de ser revisto para conseguir dar resposta às exigências levantadas pela pandemia.

Segundo Fontainhas Fernandes, que é também reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – UTAD, as universidades “estão a preparar-se intensamente para o regresso às aulas presenciais em setembro”.

No entanto, este esforço poderá “ser posto em causa” caso faltem aqueles “três elementos fundamentais”, acrescentou o presidente do CRUP.

Fontainha Fernandes lembrou que o Contrato de Legislatura assinado no final do ano passado foi pensado num tempo em que não existia pandemia.

“O país e o mundo mudaram – neste momento, sem um reforço importante dos apoios sociais e de residências universitárias, há alunos que poderão não ter possibilidade de voltar às aulas. O Contrato de Legislatura tem, por isso, de ser revisitado e adaptado às novas circunstâncias!”, afirma Fontainhas Fernandes.

Além da revisão do Contrato de Legislatura, os reitores alertam para o Programa de Estabilização Económica e Social – PEES apresentado pelo Governo.