Macau alargou esta segunda-feira a isenção de quarentena para residentes no território que se desloquem a nove cidades da Grande Baía, na província de Guangdong, no interior da China.

“A partir de hoje vamos ter mais pessoas a circular” que vão ser “incluídas na lista de isenção de quarentena”, informaram as autoridades de Macau durante a conferência de acompanhamento da Covid-19.

Em comunicado divulgado no domingo, o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus anunciou o alargamento da isenção de quarentena, até aqui válida apenas para as deslocações à cidade vizinha de Zhuhai, e mais oito localidades da Grande Baía, incluindo Cantão, capital da província de Guandong, Shenzhen, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing.

As autoridades estabeleceram uma quota diária de três mil pessoas para estas deslocações, devendo os interessados apresentar “motivo oficial, comercial ou outros motivos específicos” para a viagem “a alguma das nove cidades agora isentadas”, além de teste negativo de ácido nucleico, válido durante sete dias.

Após a entrada em Zhuhai, os requerentes podem circular durante um período “máximo de 14 dias” naquelas localidades, “no âmbito das atividades declaradas”.

Macau registou em 25 de junho o mais recente caso de Covid-19, o primeiro desde 9 de abril: um residente de Macau, de nacionalidade filipina, que chegou ao território “vindo de Manila, via Hong Kong”, através do corredor marítimo especial entre os dois territórios, em vigor até 16 de julho.