A Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve (EHTA) está a fornecer por semana mais de 100 refeições preparadas, doses de sobremesas e alimentos sobrantes ao núcleo de Faro da Refood, anunciou esta segunda-feira o estabelecimento de formação profissional.

As refeições são preparadas pelos alunos que integram a turma de Gestão e Produção de Cozinha nas aulas práticas presenciais que decorrem em julho, juntando-se a produtos que a “escola tem em ‘stock’ ” e que “necessitam de ser confecionados” ou se “utilizam nos momentos de aprendizagem e que depois precisam de ser escoados”, precisou a EHTA em comunicado.

A este esforço que permite ajudar a Refood a evitar o desperdício alimentar, destinando a pessoas e famílias carenciadas alimentos que ainda podem ser consumidos mas que não teriam destino, também se juntam “as turmas de pastelaria”, que produzem “dezenas de doses de sobremesas, fruto dos trabalhos desenvolvidos nas sessões práticas”, acrescentou.

A Refood é um movimento voluntário com vários núcleos no país que trabalha para eliminar o desperdício de alimentos, com a recolha de refeições e sua posterior distribuição aos beneficiários.

“Fazemos questão de promover esta parceria sempre que possível já que temos os produtos em ‘stock’ e sabemos que há quem precise. São os alunos que o fazem. Na semana passada confecionámos peixe e já sei que para a semana será coelho”, disse o chefe Luis Caboz, um dos formadores da EHTA.

O apoio daquela escola permite também ajudar o núcleo de Refood de Faro a responder ao aumento do número de pessoas que necessitam de ajuda alimentar devido às consequências da crise criada pela pandemia de Covid-19 e que, no Algarve, tem feito subir os números do desemprego devido às quebras na ocupação turística, a principal atividade económica regional.

“Esta ajuda da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve faz toda a diferença porque os alimentos chegam-nos já confecionados. E isso é muito importante. No dia em que fomos buscar as doses de peixe não tínhamos nada. Estabelecemos novas parcerias com hipermercados, mas os alimentos nem sempre vêm confecionados e nós não temos onde os cozinhar”, destacou Paula Matias, coordenadora da Refood Faro, também citada no comunicado.

A EHTA quantificou que, “em apenas dois meses, duplicou o número de pessoas a receber ajuda alimentar do núcleo de Faro da Refood”, que atinge já “quase três centenas de beneficiários”, das quais “100 são crianças que de alguma forma sofrem de carências alimentares”.

“Enquanto decorrerem as aulas práticas presenciais, a EHTA irá continuar a apoiar semanalmente as várias entidades e instituições que prestam ajuda alimentar às famílias mais carenciadas. Com o início do próximo ano letivo, esse apoio voltará a ser regular, como sempre aconteceu no passado”, assegurou a escola algarvia.