Um almoço com Francisco Pedro Balsemão, uma amizade já antiga e carta branca para o prime time e o digital — estes foram alguns dos elementos chave que convenceram o chef Ljubomir Stanisic a trocar a antena da TVI pela da SIC naquela que foi mais uma das várias transferências sonantes que se têm sucedido entre os dois canais privados de televisão.

“Comecei a falar com o Daniel Oliveira [sobre uma eventual mudança para Paço d’Arcos] há imenso tempo. Ele já me tentou aliciar há muito, somos amigos há vários anos e ele é uma pessoa que respeito muito”, começou o chef do 100 Maneiras e do Bistro 100 Maneiras a explicar, via telefone, ao Observador. Aquilo que o convenceu, desta vez, foi o envolvimento direto de Francisco Pedro Balsemão,  CEO do Grupo Impresa, que fez questão de visitar o cozinheiro. “O Francisco Pedro Balsemão veio a minha casa com o Daniel [Oliveira] e tivemos um almoço maravilhoso”, explicou. O chef conta que na ementa desse repasto estiveram “lulas grelhadas com tinta”, um “delicioso rib eye  [tipo de bife] maturado” , “abóboras assadas” e “figos caramelizados”, tudo “feito no fogo” e acompanhado pelos vinhos do chef, o Mó e o Bicho do Mato — que entretanto estão em venda direta, juntamente com outros artigos do chef, na nova loja online que Stanisic estreou na semana passada.

“Hoje mudo de casa”: Ljubomir segue para a SIC. “Surpreendida” com “decisão unilateral”, TVI contra-ataca

Ljubo, como também é conhecido, conta que foi sempre sua intenção “cumprir o contrato que tinha com a TVI até ao final, em dezembro” e que “nunca na vida” rompeu um contrato. O que houve de diferente? Um apelo: “O Francisco disse que precisava agora de mim e eu acabei por dizer ‘então vamos embora'”. Segundo o chef, a “atitude” dos dois responsáveis da SIC, “o lado familiar do Francisco, da empresa”, foram fatores que o agradaram, independentemente da oferta monetária. “Com eles não há confusões, respeitam reuniões, chegam a horas… Tudo isso me motivou. Se tivesse negociado pelo dinheiro tinha ficado na TVI. Foi o profissionalismo da SIC que me convenceu”, remata.

E o que se pode esperar do trabalho que Ljubomir desenvolverá na nova casa? O chef adianta que são vários os “projetos em cima da mesa” mas que ainda não pode revelar muito sobre eles. Ainda assim explicou que um deles é com o músico Paulo Furtado, também conhecido como The Legendary Tigerman, amigo de Ljubomir há vários anos; o outro será um espaço ao domingo, em horário nobre. “A SIC ofereceu-me a  oportunidade para fazer coisas que eu gosto mesmo, uma delas foi trabalhar com amigos. Deram-me canal aberto para trabalhar numa coisa para a internet com o Paulo Furtado, e outra no prime time, ao domingo, como eu gosto…”, esclarece.

Ljubomir Stanisic: “Reconquistar o cliente vai demorar um ano, no mínimo. O turismo nem sei quando voltará”

“Nuno Santos esteve mal”

Na passada sexta-feira, quando foi revelado pela SIC, via comunicado, que o cozinheiro tinha dado o salto para a sua equipa, Nuno Santos, diretor-geral da TVI, não tardou em publicar um comunicado sobre a transferência na sua página de Facebook. No mesmo não só se assumia “surpreendido” com a mudança como referia que a sua estação reservava “o direito de ativar mecanismos legais”. Também mencionava que “razões de saúde, um problema sério num joelho” e a pandemia tinham motivado o adiamento da fase de produção da nova temporada de “Pesadelo na Cozinha”, que já tinha data de recomeço marcada para setembro.

Perante este comunicado Ljubomir começa por dizer que só tem de “agradecer ao máximo à TVI por tudo o que deram, oportunidades e liberdade”, “foi maravilhoso”, acrescenta. Mesmo assim, o chef defende que “Nuno Santos esteve mal” ao acusar a sua dor no joelho, “que tinha sido operado”, como motivo para não se iniciarem gravações. “Não tem nada a ver! Sou o melhor soldado que qualquer televisão teve na vida e para entrar na guerra é preciso bons soldados”, esclarece o cozinheiro.

Cabeças de vaca e Mandela no WC. Ljubomir Stanisic reinventa-se mas continua 100 Maneiras

Ljubomir defende que sempre cumpriu com todos os compromissos que tinha com a estação de Queluz de Baixo e que a mesma, através do comunicado, tentou “ir para o lado pessoal”. Sobre uma eventual ação movida pela estação de Queluz, comenta ao seu estilo: “Vão me processar? Ainda bem, acho que é justo fazerem isso. Só tenho que lhes dizer ‘muito obrigado’, foram maravilhosos!”