Jamie Lynn, irmã mais nova de Britney Spears entrou com um pedido em tribunal para que os ativos da cantora sejam transferidos para um fundo da qual é a beneficiária. Segundo o Los Angeles Times, o processo deu entrada no Supremo Tribunal de Los Angeles, na semana passada, depois de a tutela dos bens de Britney por parte do pai, Jamie Spears, ter sido prolongada até 2021.

Nomeada pela própria Britney, aos 29 anos, a ex-estrela da Nickelodeon é a pessoa responsável por gerir a fortuna multimilionária (cerca de 59 milhões de dólares) da princesa da pop em caso de morte. Alegando o voto de confiança dado pela irmã, e reforçado em 2018, Jamie Lynn pede agora para ficar responsável pelos bens de Spears, de 38 anos, numa altura em que a tutela, que parte da premissa de que Britney continua a ser incapaz de administrar seus recursos financeiros, voltou a ser alvo de atenção mediática.

Há 12 anos que Britney não tem controlo legal sobre a sua vida ou fortuna. #FreeBritney é o movimento dos fãs para a “libertar”

Na última semana, o juiz voltou a nomear Jamie Spears como tutor dos bens da filha, posição que ocupa desde o colapso emocional de Britney, em 2008. A tutela tem efeitos durante mais um ano, embora a estrela de “Baby One More Time” tenha pedido ao tribunal que revisse a nomeação do próprio pai e que considerasse Jodi Montgomery, assistente pessoal da cantora, para assumir a responsabilidade de cuidar de todos os seus assuntos pessoais. Os advogados expressaram ainda a vontade da popstar em ter uma empresa qualificada a desempenhar a tutela.

Caso o pedido da irmã seja aceite, os bens incluídos no SJB Revocable Trust serão transferidos para Jamie Lynn, saindo do controlo detido há 12 anos pelo pai, que nas últimas semanas, voltou a justificar a posição, alegando que Britney continua incapaz de gerir a própria fortuna. Spears tem dois filhos — Sean de 14 anos e Jayden James de 13.