Feche os olhos. Enquanto inspira fundo, imagine-se a caminhar entre uma paisagem natural intocada pelo Homem, onde o único ruído é o da água a cair em cascata para um lago de águas cristalinas, e o chilrear dos pássaros que dali fazem o seu lar. Se se sentiu em paz apenas com esta imagem mental, e se a busca pela conexão consigo mesmo, quer através de um ponto de vista espiritual, quer através do contacto direto com a natureza, é uma prioridade para si, então a região Centro de Portugal terá de fazer parte obrigatória do seu próximo roteiro de férias ou escapadinha.

Entre o verde e o azul

Inicie a sua busca por paz e bem-estar imerso na Natureza. Rume em direção à antiga Real Fábrica do Gelo, datada do século XVII, em tempos o principal abastecedor de gelo da corte portuguesa e de vários cafés lisboetas, que será o seu ponto de partida para uma caminhada pela magnífica Serra de Montejunto, a meio caminho entre o rio Tejo e o Oceano Atlântico, a apenas 50 km de Lisboa. Deixe-se “banhar” pela floresta, limpando a sua mente e corpo de qualquer pressão ou stress. O importante é estar presente no momento, absorvendo todos os benefícios comprovados que este contacto direto com a natureza lhe traz, tanto a nível físico como mental.

8 fotos

Mais a norte, as Montanhas Mágicas, constituídas por dois maciços montanhosos – o da Gralheira que abrange as serras da Arada, Freita e Arestal e o de Montemuro que inclui a serra de Montemuro -, convidam a explorações a pé entre rios, serras e aldeias que o tempo quase não tocou. O nome das montanhas é perfeito, tendo em conta o efeito quase mágico que esta paisagem natural, feita de vastos mantos verdes e extensões rochosas, tem sobre quem as explora.

3 fotos

E se a imagem de um fluxo de água fresca a cair sobre a sua pele no meio de um cenário natural é para si sinónimo de tranquilidade e paz interior, o seu roteiro pelo Centro de Portugal terá de incluir as cascatas do Penedo Furado, no município de Vila de Rei. Para lá chegar espera-o uma caminhada pelos passadiços do Penedo Furado que se estendem ao longo de 532 metros. Inspire o ar puro, aprecie a beleza do cenário que o rodeia e termine com um mergulho nas águas frescas das cascatas ou com um momento de introspeção acompanhado pelo som da água.

3 fotos

Por falar em caminhadas no meio da natureza, as Fragas de São Simão, no município de Figueiró dos Vinhos, imponentes cristas quartzícas da Serra da Lousã, são agora também atravessadas por uns passadiços com uma extensão de dois quilómetros, que ligam a aldeia do xisto Casal de São Simão à praia fluvial da Ribeira de Alge. Aproveite também para passear pelos passadiços do Orvalho, no Município de Oleiros. Vale a pena a caminhada para ver a imponente Cascata da Fraga de Água d’Alta.

Inspire o ar puro, registe na sua memória cada pormenor da paisagem natural de enorme beleza que o rodeia e caminhe ao seu ritmo acompanhado pela banda sonora dos sons da natureza.

8 fotos

Abrande o ritmo

O ritmo frenético do dia a dia, distribuído entre compromissos profissionais, familiares e domésticos, não nos deixa tempo para apreciar os verdadeiros valores e pequenos prazeres da vida. Fazer pequenos resets, nem que apenas por alguns dias, torna-se essencial para um maior bem-estar e conexão com o que realmente importa. Na Beira Baixa, região conhecida pela extraordinária preservação dos mais antigos costumes e tradições portuguesas, encontra lugar para abrandar, para regressar a um estilo de vida mais puro e descontraído.

Aqui encontra paisagens naturais feitas de vastos campos agrícolas, serras imponentes e densas zonas florestais, e cidades como Castelo Branco que, apesar do seu estatuto de município, vive de memórias seculares a um ritmo sereno. Locais como o Jardim do Paço Episcopal é um dos seus perfeitos exemplos. Datado do século XVII, o jardim é um verdadeiro oásis no centro de Castelo Branco, que oferece a quem o visita uma oportunidade para limpar a mente com um passeio demorado pelos seus arranjos labirínticos, largas escadarias, lagos com repuxos, e inúmeros azulejos e estátuas. Todos os elementos do jardim têm por base referências bíblicas e espirituais.

Abrace a sua espiritualidade

Para muitos, a ligação ao seu lado espiritual é fonte de paz e serenidade interior. A mítica peregrinação ao Santuário de Fátima, realizada no período de maio a outubro, é, para além de uma caminhada que o leva a conhecer alguns dos locais mais encantadores do Centro de Portugal, uma oportunidade para se reconectar consigo mesmo, não só a nível espiritual, como a nível físico. O objetivo é a chegada ao Santuário, mas é o percurso que mais contribui para a mudança interior profunda que sentem os seus peregrinos.

A partir de Fátima espera-o ainda um outro percurso de forte simbolismo religioso, a Rota dos Santuários Marianos, que tem como base a devoção à Virgem Maria. A partida faz-se do mais popular altar mariano em Portugal, o Santuário de Fátima, rumo à descoberta de outros altares e monumentos dedicados a Santa Maria, alguns remontando à fundação de Portugal, como a Abadia de Santa Maria de Alcobaça e o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha, dois dos monumentos mais emblemáticos do país. O Santuário de Nossa Senhora da Nazaré, na região Oeste, e o Santuário de Nossa Senhora do Pranto, em Dornes, são outros dois dos vários altares marianos que poderá incluir no seu roteiro de descoberta espiritual pelo Centro de Portugal. Não deixe também de passar pela Ermida da Nossa Senhora de Vagos, uma das duas únicas igrejas documentadas na Terra de Vouga entre 1220 e 1320.

13 fotos

E o que lhe parece a ideia de aliar a tranquilidade de uma das mais belas paisagens naturais de Portugal à serenidade e espiritualidade de um espaço construído há quase 400 anos, em total isolamento, por monges carmelitas, com o objetivo de se transformar no seu “Deserto” místico de reflexão? Em plena Mata do Bussaco, na Mealhada, erguia-se, há quase quatro séculos, o Convento de Santa Cruz do Bussaco, a que se juntou a Via Sacra, a única réplica no mundo à escala de Jerusalém, composta por 20 capelas que representam os Passos da Prisão e da Paixão de Cristo, distribuídas por uma extensão de 3,5 km. Deixe-se envolver pela magia e misticismo de um local único, regressando a casa com uma renovada sensação de paz interior e energias carregadas. Em Miranda do Corvo, não deixe de espreitar o Templo Ecuménico Universalista, único no mundo, aberto à reflexão espiritual de crentes e não crentes. E em Tomar, aventure-se pela Mata dos Sete Montes, a parte mais importante da antiga cerca conventual do Convento de Cristo, para descobrir, no meio da sua vegetação frondosa, um templo miniatura: a Charolinha.

Uma fuga da rotina, um encontro com um “eu” mais sereno e uma conexão profunda com a natureza e com a sua espiritualidade. É isto que o espera no Centro de Portugal.

Saiba mais sobre este projeto em https://observador.pt/seccao/centro-de-portugal/