Um “Arquivo Europeu de Vozes”, reunindo cerca de 50 entrevistas com personalidades de toda a União Europeia nascidas antes da II Guerra Mundial, foi lançado esta semana para ajudar a “entender como a ideia de Europa se formou”.

O professor universitário e político português Adriano Moreira é um dos entrevistados no projeto, iniciativa de um grupo de jovens de vários países criado na Alemanha após o “Brexit” para refletir sobre a identidade europeia, o “Arbeit an Europa”, que conta neste projeto com a parceria do Goethe Institute, no âmbito da presidência alemã da União Europeia (UE).

“O problema da luta pela unidade da Europa é fascinante. Porque a Europa não tem fronteiras naturais […]. Aquilo que foi identificando a Europa foi realmente a criação de grandes valorações que eram partilhadas apesar das diferenças”, afirma Adriano Moreira, na entrevista, realizada em 2019.

Caracterizando a UE como um projeto económico “em constante crescimento”, que “cria uma espécie de hierarquia interna” assente na superioridade, económica ou científica, de uns países em relação aos outros, Adriano Moreira cita as memórias de Jean Monnet, onde o político francês, considerado por muitos o arquiteto da União Europeia, escreve: “Se fosse hoje, não começava pela economia, começava pela cultura”..

A entrevista a Adriano Moreira integra o primeiro grupo de seis já publicadas, a que se seguirão as restantes, divulgadas até ao final da presidência alemã, a 31 de dezembro.

Com base neste arquivo, o Goethe Institut lançou o projeto “Tell me about Europe”, prevendo organizar uma série de eventos ao longo dos próximos meses em vários países europeus.

As entrevistas, divulgadas online no site do “Arbeit an Europa” e na página do Goethe Institut , foram realizadas para “preservar as histórias” das “poucas testemunhas que podem contar a história da Europa no século XX”, explica o grupo em comunicado.