Primeiro suspeitava-se, agora a convicção é forte: as mulheres grávidas com Covid-19 têm um risco significativamente mais elevado de desenvolverem doença grave e até de morrerem do que as mulheres não grávidas com a mesma idade e também com Covid-19. Ainda assim, o risco de doença grave e morte é significativamente inferior ao de doentes com idades mais avançadas ou doenças graves associadas.

A conclusão é de um estudo publicado pelo principal instituto de saúde pública dos Estados Unidos da América, o Centro para Controlo e Prevenção de Doenças (CDC). Numa investigação levada a cabo por um grupo de 11 investigadores , foram avaliados os impactos do desenvolvimento da doença Covid-19 em mais de 400 mil mulheres (409.462) com entre 15 e 44 anos e com sintomas. Destas, mais de 23 mil (23.434) estavam grávidas.

Embora a probabilidade de desenvolvimento de doença grave se mantenha reduzida em mulheres com menos de 45 anos — e a probabilidade de morte seja ainda menor —, os investigadores concluíram que o impacto da Covid-19 é superior em mulheres grávidas nesta faixa etária do que em mulheres com a mesma idade mas não grávidas.

Covid-19. Transmissão durante a gravidez é rara e só há cerca de 10 casos registados no mundo

As grávidas têm risco mais elevado de terem de ser tratadas em unidades de cuidados intensivos, de precisarem de ventilação assistida e sobretudo de morrerem face a mulheres com a mesma doença e idade que não estejam grávidas: o risco de morte para mulheres grávidas com menos de 45 anos é 70% maior do que o de mulheres doentes, com sintomas mas não grávidas.

Estamos agora a afirmar que as mulheres graves têm maior risco de desenvolvimento de doença grave [do que as não grávidas]. Anteriormente, dizíamos que ‘poderiam estar’ em maior risco de desenvolvimento de doença grave. O risco absoluto de consequências graves é baixo em mulheres com entre 15 e 44 anos, independentemente de estarem grávidas ou não, mas o que vemos é risco acrescido associado à gravidez”, referiu uma das autoras do estudo e uma das especialistas do CDC, Sascha Ellington, citada pelo The New York Times

Ao todo, segundo o The New York Times, este estudo calcula que o risco de morte em mulheres grávidas com entre 15 e 44 anos seja 1,7 vezes superior ao de mulheres não grávidas com as mesmas características e os mesmos sintomas.