A Câmara de Braga vai avançar com a instalação de um centro de biotrituração comunitário, ao abrigo de um projeto que visa combater incêndios florestais e proteger a natureza, as pessoas e os bens, foi esta quinta-feira anunciado.

Em comunicado, a Câmara refere que o centro de biotrituração vai nascer ao abrigo de um financiamento de 234 mil euros para a segunda edição do projeto “Cuidar Braga”.

A verba foi atribuída pelo programa “Ambiente, Alterações Climáticas e Economia de Baixo Carbono” do EE Grants, um mecanismo financeiro plurianual que apoia financeiramente os estados-membros da União Europeia com maiores desvios da média europeia do PIB per capita.

O “Cuidar Braga”, lançado pelo município no início deste ano em parceria com as juntas de freguesia, foi financiado pelo Fundo Recomeçar da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

A iniciativa disponibilizou à população, de forma gratuita, dois biotrituradores para a destruição de sobrantes agrícolas e florestais, com o objetivo de reduzir em 40% o número de queimas realizadas no concelho.

Agora, com o “Cuidar Braga II”, a autarquia vai instalar e dinamizar o centro de biotrituração comunitário.

Para valorizar o subproduto, que se pretende distribuir gratuitamente entre os contribuintes de biomassa, promovendo uma economia circular, o município irá trabalhar em parceria com a Braval, empresa intermunicipal de valorização e tratamento de resíduos sólidos.

Assim, o projeto vai permitir à autarquia operacionalizar três opções de adaptação das 29 identificadas na Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas, nomeadamente monitorização do estado sanitário do parque arbóreo, promoção do aproveitamento de biomassa florestal (aquecimento de águas, pellets) e promoção do ordenamento e gestão florestal.