Os Estados Unidos estão a oferecer uma recompensa de cinco milhões de dólares (o equivalente a 4,2 milhões de euros) a quem fornecer informações sobre o incumprimento de sanções, após terem acusado a China de uma “violação flagrante” da obrigação de aplicar sanções internacionais à Coreia do Norte.

Alex Wong, secretário adjunto para a Coreia do Norte citado pela Reuters, acusou a China de ter recebido 20 mil trabalhadores norte-coreanos — uma desobediência às regras impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU). Em declarações no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington, Wong afirma que a China está a sabotar o regime de sanções que tenta convencer a Coreia do Norte a  abandonar o programa nuclear.

O secretário insistiu que a China hospeda pelo menos 20 representantes norte-coreanos relacionados com o programa de armamento ou com o sistema bancário do país, continuando a fazer negócios com essas entidades apesar de estarem sancionadas pela ONU.

O Departamento do Estado vai lançar um site para que qualquer pessoa com informações valiosas sobre a fuga às sanções impostas à Coreia do Norte possa denunciar os casos. Em troca, receberá uma recompensa em dinheiro. “Em nenhum outro país vemos esta amplitude e profundidade da continuidade das atividades comerciais ilícitas com a Coreia do Norte, cuja escala coloca a China em flagrante violação das suas obrigações”, sublinhou Alex Wong.