Foi a própria juíza presidente do coletivo a admitir: “Isto não é normal”. É que, durante a audição do advogado Pedro Henriques que continuou esta quarta-feira, ficou a saber-se uma informação que deixou o tribunal algo perplexo: que o inspetor da Polícia Judiciária (PJ) Rogério Bravo lhe tinha enviado um email onde pedia que fizesse um requerimento à então Procuradora-Geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, relacionado com o processo Football Leaks. Nesse email, o inspetor enviou mesmo uma espécie de rascunho com uma proposta de requerimento. Pedro Henriques — que prestava assessoria jurídica ao ex-administrador da Doyen, Nélio Lucas — disse não ter “explicação” para esse email.

O email foi enviado do endereço de correio eletrónico pessoal do inspetor em novembro de 2015, numa altura em que a identidade de Rui Pinto ainda não era conhecida. Nele, Rogério Bravo trata Pedro Henriques por “tu” e pedia-lhe que informasse o “amigo N” acerca da sugestão de requerimento, mas “limpando” a “origem” do email “para prevenir incidentes”.

Num discurso hesitante em que não respondia exatamente à perguntas que eram  que lhe feitas, muitas frases ficaram por acabar, Pedro Henriques garantiu que não era amigo de Rogério Bravo, nem sequer o conhecia antes deste processo e não conseguiu apresentar uma razão para o inspetor o tratar por tu — garante, no entanto, que sempre o tratou por “você” e que é “a forma de ele falar”.

Não tenho qualquer relação com ele, não o conhecia, não consigo ter qualquer explicação para me tratar assim. Tem de perguntar ao inspetor”, afirmou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também não conseguiu explicar quem era o “amigo N”, embora a juíza tenha sugerido que se tratasse de Nélio Lucas, o empresário que Rui Pinto terá tentado extorquir, pedindo dinheiro em troca da não divulgação de documentos relacionados com a Doyen. A esse email, Pedro Henriques responde apenas: “Obrigado. Assim farei. Abraço”.

Football Leaks. Nélio Lucas, uma testemunha com “problemas de memória”: “Não me recordo, não lhe sei dizer, não faço ideia”

Num segundo email, em que o inspetor envia efetivamente o requerimento pede a Pedro Henriques que o envie à Procuradora-Geral da República “com urgência”. Nesse requerimento era dada a informação a Joana Marques Vidal de que tinha havido uma “escalada criminosa” e que o alegado hacker não só continuava a divulgar informação sobre a Doyen no site Football Leaks como agora tinha feito uma tentativa de extorsão.

Eu vou falar com uma pessoa mesmo muito próxima da Sra. Procuradora-Geral e pedir deferimento disto”, escreve o inspetor, informando Pedro Henriques.

Estes emails geraram alguma inquietação entre os juízes. “No âmbito do crime, os requerimentos não são sugeridos pelo inspetor“, afirmou mesmo a juíza Ana Margarida Alves. Ainda assim, a magistrada questionou ainda por que é que esse email tinha sido enviado para Pedro Henriques, quando não era ele que estava a representar Nélio Lucas. É que o ex-administrador da Doyen estava a ser representado neste processo por advogados da sociedade Vieira de Almeida e Pedro Henriques era, segundo explicou em tribunal, apenas um amigo e assessor jurídico. Também para isto a testemunha não deu uma explicação e sugeriu aos juízes que questionassem o próprio inspetor.

“O escritório era pequeno? Nós sabemos como funcionam as offshores”

Então, quem era Pedro Henriques e qual é o seu papel neste processo? Foi exatamente a essa pergunta que começou por responder na sessão desta quarta-feira. É advogado, mas não é o advogado de Nélio Lucas neste processo, embora já o tivesse representado noutros processos do passado. Na Doyen, prestava assessoria jurídica e “mantinha contactos com escritórios de advogados de vários países”.

Da investigação privada a Rui Pinto ao sócio com “dinheiro limpo”. Nélio Lucas não é o centro do caso, mas agitou o tribunal

Questionado pela Procuradora da República, Marta Viegas, sobre se costumava ir a Malta, onde a Doyen tinha a sua sede, respondeu que sim: “Umas 15 ou 20 vezes”. Já a resposta à pergunta relacionada com as instalações da empresa não foi tão imediata. O advogado andou às voltas, dizendo que a Doyen tinha mudado de morada algumas vezes, referindo que funcionava em edifícios de escritórios, mas sem dizer concretamente como eram as instalações físicas da empresa.

O escritório era pequeno? Não há que haver nenhum constrangimento. Nós sabemos como funcionam as offshores. As empresas escolhem Malta por ter um sistema fiscal favorável. Se o espaço era maior ou menor, não está isso em causa”, acabou por dizer a juíza.

Pedro Henriques acabaria então por dizer que a sede estava “em edifícios grandes com espaços para empresas, espaços mais pequenos”. “Fui a dois sítios diferentes”, acrescentou.

Mas, neste processo em específico, Pedro Henriques foi o homem que Nélio Lucas pediu, como amigo, para mediar a tentativa de extorsão que Rui Pinto terá feito. Quando o alegado hacker, sob o pseudónimo de Artem Lobuzov, começou a enviar emails ao empresário a pedir dinheiro em troca da não divulgação de informação da Doyen, segundo o MP, Nélio Lucas terá pedido ajuda a Pedro Henriques. Foi nesse sentido que o advogado esteve na reunião na área de serviço da A5, em Oeiras, com Nélio Lucas e o advogado Aníbal Pinto, então em representação de Rui Pinto.

Expliquei a Nélio Lucas que isto era uma extorsão e foi enquanto amigo que aceitei acompanhar. Mas fi-lo com renitência. Até um determinado ponto em que cheguei a um limite”, disse.

Esse encontro acabaria por ser vigiado pela PJ uma vez que, à data, Nélio Lucas já tinha apresentado queixa e a polícia estava agora a acompanhar ao minuto os desenvolvimentos do caso. Em tribunal, explicou que foi Nélio Lucas a determinar o local e a informar a PJ — embora diga que não se apercebeu da presença dos inspetores no local.

A única coisa que perguntei ao Nélio foi acerca da segurança. Podiam ser criminosos. Ele disse: ‘Não te preocupes com isso’. Não sabia de nada”, acrescentou.

O julgamento do Football Leaks retomou esta quarta-feira depois de ter sido suspenso durante 14 dias uma vez que uma das juízas tinha estado em contacto com uma pessoa infetada com o novo coronavírus. Amanhã, quarta-feira, prossegue o julgamento com a continuação do depoimento de Pedro Henriques que irá responder às perguntas dos advogados de defesa.

Julgamento de Rui Pinto interrompido por 14 dias. Uma das juízas teve contacto com um familiar infetado

Rui Pinto, o principal arguido, responde por 90 crimes — todos relacionados com o facto de ter acedido aos sistemas informáticos e caixas de emails de pessoas ligadas ao Sporting, à Doyen, à sociedade de advogados PLMJ, à Federação Portuguesa de Futebol, à Ordem dos Advogados e à PGR. Entre os visados estão Jorge Jesus, Bruno de Carvalho, o então diretor do DCIAP Amadeu Guerra ou o advogado José Miguel Júdice. São, assim 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por tentativa de extorsão ao fundo de investimento Doyen.

Aníbal Pinto, o seu advogado à data dos alegados crimes, responde pelo crime de tentativa de extorsão porque terá servido de intermediário de Rui Pinto na suposta tentativa de extorsão à Doyen. E é por isso que se sentam os dois, lado a lado, em frente ao coletivo de juízes.

Rui Pinto. O rapaz do “cabelito espetado” que já entrava nos computadores da escola antes de ser o “John” do Football Leaks

O alegado pirata informático esteve em prisão preventiva desde 22 de março de 2019 e foi colocado em prisão domiciliária a 8 de abril deste ano, numa casa disponibilizada pela PJ. Na sequência de um requerimento apresentado pela defesa do arguido, a juiz Margarida Alves, presidente do coletivo de juízes — que está a julgar Rui Pinto e que tem como adjuntos os juízes Ana Paula Conceição e Pedro Lucas — decidiu colocá-lo em liberdade. O alegado pirata informático deixou as instalações da PJ no início de agosto e a sua morada atual é desconhecida.