As dúvidas, as perguntas, o “não percebo nada disto”, testes e frequências e trabalhos de matéria que, por uma razão ou outra, parece não fazer sentido. A questão é transversal a quem se sentou numa sala de aula e a solução passa, muitas vezes, por procurar ajuda extra. Mas, na hora de decidir, são vários os fatores a ter em conta: quanto me vai custar? É longe? Será mesmo esta a melhor pessoa para me ajudar? “Pensei nisto, porque já tive explicações e muitas vezes não queria ir para o sítio. Pegando nesse e noutros problemas criámos uma plataforma com várias vantagens”, explica ao Observador Luís Serrano.

O cofundador da Learnify, a plataforma de explicações online focada em áreas como a Matemática, Programação, Biologia ou Fisico-química, conta que esta já era uma ideia bem fermentada quando entrou em Engenharia Informática no Politécnico de Setúbal, mas a direção que esperava encontrar, bem como o apoio, fizeram-no repensar aquilo que viria a ser o projeto.

“Falei com professores que me aconselharam a fazer isto de uma certa maneira, mas não tinha ideia de como fazer as coisas e deixei em standby”, disse.

No último ano, como projeto final, falou da estrutura da Learnify a um colega, David Mealha, e juntos criaram a fundação inicial que havia de ficar novamente em espera até ao arranque definitivo, em 2018.

Luís terminou o curso, seguiu para o mercado de trabalho; passou pela Hole19, a app para golfistas, pela Unbabel, a plataforma de traduções apoiadas por inteligência artificial e parou na Remote, uma plataforma de recursos humanos. Pelo meio, a Learnify via finalmente o avanço e chegava ao mercado com o objetivo de “reduzir a distância entre o explicador e o aluno e transformar as explicações para um mundo completamente digital”, uma aposta que, com a entrada de 2020 e as condicionantes causadas pela pandemia de Covid-19, fariam a Learnify crescer 1100% face ao ano de 2019.

A inscrição é gratuita e as sessões custam em média 15 euros

O conceito é simples: os alunos registam-se de forma completamente gratuita e podem navegar no site da Learnify em busca do explicador ideal. “Se gostar do perfil, cada aluno pode ter uma aula grátis de apresentação de 15 minutos para conhecer a pessoa e depois decidir se quer ou não ter aulas. Os alunos podem até contactar o explicador antes mesmo de marcar aula, para perceberem se é a melhor opção”, esclarece Luís.

Com a escolha feita, para marcar uma sessão basta ir ao perfil do explicador, fazer um pedido de aula “e nós encaminhamos para o dashboard do explicador. Fica depois pendente de aceitação consoante a disponibilidade”. diz. Uma vez marcada, é enviado um email ao aluno a dizer que a aula foi aceite e que pode proceder ao pagamento.

Para que tudo isto seja possível, cada explicador tem de referir a disponibilidade horária e o preço a cobrar logo no perfil. “Por norma, um explicador tem apenas um aluno por sessão”. Tanto a marcação como o pagamento e a própria aula, são feitos dentro do Learnify. À semelhança do que acontece com os requerentes, também os explicadores se podem candidatar a integrar a equipa do Learnify.

“Tudo o que precisam é de se registarem, terem um computador e uma câmera. E aconselhamos a terem uma mesa digitalizadora”, refere. Luís e David procedem depois à seleção mediante o perfil e experiência de cada um dos candidatos. “Neste momento temos cerca de 756 explicadores ativos, 895 inativos, 923 alunos e 824 aulas.”

O modelo de negócio está alicerçado numa comissão de 35% cobrada pelos fundadores sobre o preço de cada sessão, sendo que o preço médio atual, segundo Luís, é de 15 euros (as explicações podem variar entre os 10 e os 20 euros). Relativamente aos custos operacionais e investimento, o cofundador diz tratar-se de uma plataforma autossuficiente, apoiada por uma parceria com a Amazon, que garante a capacidade de os servidores de forma gratuita, sendo a despesa apontada unicamente à publicidade.

Para 2021, a Learnify quer ser global e disponibilizar o serviço de explicações em mais países

Com o crescimento a impulsionar melhorias, Luís diz que para 2021 estão pensadas algumas novas funcionalidades e formatos para a plataforma.

“O nosso próximo objetivo é tornar o Learnify global. Queremos dar a possibilidade de um explicador poder ajudar um aluno de qualquer parte do mundo e ser bem sucedido, isto tudo a partir de um computador, a partir de qualquer parte do mundo, sem estar restrito ao local onde vive. Outras das funcionalidades que vamos adicionar ao Learnify no futuro é a possibilidade de um aluno poder pedir ajuda para resolver um exercício, apenas tirando uma fotografia e os explicadores na plataforma resolvem-no, ganhando o valor que o aluno se disponibiliza a pagar, dando a possibilidade de os explicadores venderem cursos ou darem workshops em tempo real sobre a matéria que lecionam”, conclui.

*Tive uma ideia! é uma rubrica do Observador destinada a novos negócios com ADN português.