Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A história

Quando Bruno Caseiro e Filipa Gonçalves aterraram no Cavalariça na Comporta, em 2017, depois de um período gastronómico em Londres, já vinham com a intenção de abrir um espaço na capital portuguesa. O desafio, que demoraria cerca de três anos a cumprir, encontrou forma e espaço no Cais do Sodré — e nem uma pandemia o conseguiu travar, sobretudo a julgar pela afluência no dia em que o Observador visitou o restaurante.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.