816kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Boletim DGS. Portugal tem o quarto pior dia em óbitos. Há 26 dias que não havia tantos internados

Este artigo tem mais de 3 anos

Esta terça-feira foi, a par do dia 14 de dezembro, o quarto dia com mais óbitos desde o início da pandemia. Número de internamentos aumentou e não era tão alto desde 10 de dezembro.

epa08918455 A handout photo made available by Sardinia Region Press Office shows medical staff performing swabs for Covid-19 testing in Nuoro, Italy, 04 January 2021. The screening campaign promoted by the Region of Sardinia will involve the population of the 23 municipalities of the territory. The goal is to get to test over 30,000 people in two days.  EPA/Sardinia Region Press Office HANDOUT  HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES
i

Portugal volta ainda a aproximar-se das 5 mil infeções diárias

Sardinia Region Press Office HANDOUT/EPA

Portugal volta ainda a aproximar-se das 5 mil infeções diárias

Sardinia Region Press Office HANDOUT/EPA

Há 26 dias que não havia tantas pessoas internadas nos hospitais. De acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde desta terça-feira, nas últimas 24 horas mais 89 pessoas foram internadas, para um total de 3.260, o maior número desde 10 de dezembro, quando estavam nos hospitais 3.304 pessoas.

Nos cuidados intensivos, as notícias também não são animadoras: de segunda-feira para terça-feira são mais dois os pacientes nestas unidades, totalizando agora as 512, o maior número desde 13 e 14 de dezembro (eram 513 nessas datas).

Quarto dia com mais óbitos

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 90 óbitos por Covid-19 (no dia anterior tinham sido 78) e 4.956 novos casos (4.369 no dia anterior), de acordo com o boletim da DGS.

Desde 14 de dezembro que não havia tantos óbitos por Covid-19. A par desse dia (que teve 90 óbitos), esta terça-feira foi o quarto com mais óbitos, depois de 13 de dezembro (98), 11 de dezembro (95) e 16 de novembro (91).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Portugal volta ainda a aproximar-se das 5 mil infeções diárias. Aliás, há três dias consecutivos que o valor de novos casos está a aumentar.

Nas últimas 24 horas, recuperaram 4.691 pessoas, num total de 349.110 desde o início da pandemia. Estão sob vigilância pelas autoridades de saúde mais 1.828 pessoas (são ao todo 96.577 neste momento).

Região Norte com 39,2% do total de novos casos

A região Norte voltou a ser a que teve mais novas infeções — foram 1.945 nas últimas 24 horas, o que representa 39,2% do total. Também teve mais óbitos — foram 33. Segue-se Lisboa e Vale do Tejo, com 1.552 novos casos e 24 óbitos. Já a região Centro registou 845 novos casos e 17 mortes e o Algarve 193 casos e uma morte.

No caso das regiões autónomas, há uma morte a registar no arquipélago da Madeira (com 72 novos casos) e nenhuma nos Açores (com 39 novos casos).

Morreu uma mulher na faixa etária dos 30 aos 39 anos

O boletim da DGS indica ainda que morreu uma mulher entre os 30 e os 39 anos nas últimas 24 horas. Morreram também dois homens e duas mulheres com entre 50 e 59 anos, sete homens e sete mulheres com entre 60 e 69 anos e 10 homens e duas mulheres na faixa etária dos 70 aos 79 anos.

Com idade igual ou superior a 80 anos morreram nas últimas 24 horas 26 homens e 33 mulheres.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos