A União Africana (UA) anunciou esta quarta-feira ter assegurado para os países do continente mais 270 milhões de vacinas para o novo coronavírus, que se somam às disponibilizadas pela iniciativa Covax.

A presidência sul-africana da UA afirma em comunicado divulgado esta terça-feira que pelo menos 50 milhões de vacinas serão disponibilizadas já entre Abril e Junho. Os fornecedores das vacinas serão os laboratórios Pfizer-BioNTech e AstraZeneca, a partir das suas fábricas na Índia, e Johnson & Johnson.

A compra das vacinas será financiada pelo Afreximbank (Africa Export-Import Bank) e Banco Mundial.

Embora a iniciativa Covax seja essencial para a África, a União Africana teme que os volumes, que estarão disponíveis entre fevereiro e junho (…) não sejam suficientes para conter os números crescentes da pandemia na África”, refere o comunicado da UA.

A meta da Covax de imunizar 20% da população, adianta, não é suficiente para conter a propagação do vírus no continente.

Cientistas do Centro Africano para Controle e Prevenção de Doenças (África CDC) indicaram que precisamos de imunizar pelo menos 60% da população para diminuir significativamente a propagação da doença”, refere ainda o comunicado.

Lançada pela Organização Mundial de Saúde e parceiros privados, a iniciativa Covax prevê a imunização no continente a partir de final de janeiro e meados de fevereiro, atingindo até final do ano de um quinto da população africana.

O número total de casos de Covid-19 em África é atualmente de cerca de três milhões, com 74 mil mortes registadas, significativamente abaixo dos 16 milhões de casos e 500 mil mortes na América do Sul e Caraíbas.  A África do Sul, onde nas últimas semanas foi identificada uma nova estirpe de Covid-19, é o país mais afetado no continente, com 1,2 milhões de casos e 35 mil mortes.