Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Ministério da Saúde considera que cabe a cada lar de idosos, e não às autoridades nacionais, interpretar quem preenche as condições para receber a vacina enquanto elemento de um grupo prioritário. Em causa está a polémica suscitada pela notícia de que o presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, José Calixto, que é também presidente de uma fundação que gere um lar de idosos no concelho — onde no verão de 2020 um surto de coronavírus matou 18 pessoas —, foi vacinado, mesmo sem pertencer a qualquer grupo prioritário.

O autarca defendeu-se sustentando que devia ser considerado prioritário por estar em contacto direto com o dia-a-dia do lar de idosos e, também, por ser a autoridade municipal de Proteção Civil.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.