Mais de 300 polícias de Nova Deli ficaram feridos em confrontos com manifestantes durante a marcha que na terça-feira juntou na capital da Índia dezenas de milhares de agricultores que exigiam a reforma agrária no país.

Inicialmente a marcha decorreu sem problemas, durante o percurso estabelecido pelas autoridades nos arredores de Nova Deli, mas a situação alterou-se quando alguns grupos de manifestantes decidiram alterar o destino, entrando na cidade.

“Mais de 300 polícias ficaram feridos”, disse o porta-voz adjunto da Polícia de Nova Deli, Anil Mittal, sem fornecer mais detalhes sobre o balanço dos protestos de terça-feira.

O subcomissário da Polícia de Nova Deli, Eish Singhal, acrescentou que se registaram igualmente 22 denúncias por violência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As autoridades não se referiram a eventuais manifestantes feridos.

Anteriormente, as forças de segurança comunicaram a morte de um manifestante, durante um acidente, apesar de alguns agricultores afirmarem que o homem foi abatido a tiro.

A marcha e o desfile de tratores agrícolas foram um dos muitos protestos que se têm verificado na Índia contra as três leis do Governo que liberalizam o setor.

Os incidentes ocorreram quando a manifestação ocupou o espaço da cidade onde tinha lugar o desfile militar do Dia da República que assinala a aprovação da Constituição – a 26 de janeiro de 1950 – três anos após o fim do domínio colonial britânico (1947).

Alguns manifestantes, com tratores e escavadoras, retiraram as barricadas de cimento e os veículos da polícia que impediam a passagem tendo a polícia de choque usado gás lacrimogéneo e canhões de água.

No centro da cidade registaram-se confrontos entre a polícia e os manifestantes, sendo que centenas de agricultores invadiram o Forte Vermelho, um palácio do século XVII, que simboliza a independência do país da Índia, em 1947.

Entretanto, as principais organizações do setor agrícola condenaram a violência durante os confrontos de terça-feira relacionando os desacatos com “criminosos infiltrados” que participaram numa “conspiração” contra um movimento de contestação pacífico.

“Os protestos pacíficos vão continuar hoje. Vamos usar o protesto pacífico, partilhar a mensagem e torná-la ‘viral’ para que as vozes dos nossos agricultores cheguem ao Governo”, disse Kisan Ekta Morcha, um dos principais organizadores da marcha através de uma mensagem na rede social Twitter.

A “grande marcha” de Nova Deli foi apoiada por milhares de concentrações em vários pontos do país e acontece após três meses de protestos contra o governo do primeiro-ministro Narendra Modi.

Os agricultores pretendem o fim das três leis que liberalizam os preços e as quantidades dos produtos.

A legislação aprovada em 2020 obriga os agricultores, base económica e social do país, a negociarem diretamente os preços e as quantidades de produção com as empresas de distribuição.

Os agricultores queixam-se que deste modo ficam expostos aos interesses das grandes empresas porque deixam de existir salvaguardas legais de proteção sobre abusos cometidos na cadeia de distribuição.

O Governo, que chegou a propor uma moratória de 18 meses na aplicação da nova legislação, defende que a partir deste momento cada agricultor pode negociar diretamente com o setor de distribuição e venda.

Os sindicatos rejeitaram o adiamento do prazo de vigência da lei e mantêm os protestos, tendo marcado uma marcha no início de fevereiro frente ao Parlamento, em Nova Deli.