A China advertiu esta sexta-feira que a “independência de Taiwan significa guerra”, dias depois de 13 aviões de guerra chineses terem sobrevoado o estreito da Formosa e a ascensão ao poder de Joe Biden nos Estados Unidos.

“Às forças independentistas de Taiwan deixamos esta séria mensagem: aqueles que brincam com o fogo acabam por se queimar e a independência de Taiwan significa guerra”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa da China, Wu Qian, em conferência de imprensa.

Wu indicou que as forças armadas chinesas estão a realizar exercícios militares no estreito de Taiwan, como resposta à “interferência de forças externas e às provocações das forças independentistas de Taiwan”.

“O Exército de Libertação Popular tomará todas as medidas necessárias para esmagar qualquer tentativa de independência de Taiwan e defenderá firmemente a soberania e a integridade territorial da China”, acrescentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O porta-voz assegurou ainda que “conter a China é uma missão impossível”.

Nos últimos anos, a administração do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump realizou várias visitas de alto nível a Taiwan e vendas de armamento a Taipé, face ao deteriorar das relações entre Washington e Pequim.

China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas.

Taiwan, que se designa República da China, tornou-se, entretanto, numa democracia com uma forte sociedade civil, mas Pequim considera a ilha parte do seu território e ameaçou já a reunificação pela força.

Pequim critica qualquer relação oficial entre países estrangeiros e Taipé.